03/03/2016

22:37

Por: Alberto Silva

Só de pensar na saída de Dilma mercado reage bem , dólar cai mais de 5%, investidores já pensam em pós PT

Um novo Brasil, a delação que fez os investidores sonharem com a mudança

Todos investidores já sonham com um novo Brasil, os mercados brasileiros ex-plo-di-ram nesta quinta-feira, em meio à percepção de que os desdobramentos da Lava Jato podem levar ao impeachment ou a uma renúncia, abrindo a perspectiva de reformas que recoloquem a economia nos trilhos.

A revelação pela revista IstoÉ de que o Senador Delcídio Amaral implicou a Presidente Dilma e o ex-Presidente Lula em tentativas de frear e obstruir a Lava Jato foram a faísca que incendiou o mercado. Há pelo menos dois meses os investidores já flertavam com a ideia de que uma eventual prisão de Lula levaria a um enfraquecimento de Dilma (e daí à renúncia ou ao impeachment); nesta quinta, aquele flerte virou um casamento oficial.

Não importou que o acordo de delação de Delcídio não tenha sido homologado (aceito) ainda pelo Supremo Tribunal Federal.

Não importaram sequer os desmentidos — cada vez mais peremptórios — do advogado do senador.

O Real e a Bovespa dispararam como reféns subitamente libertos do cativeiro, enquanto os investidores despejaram o dólar na rua da bravura.

No final, a Bovespa fechou em alta de 5,1% — com 51 ações que fazem parte do índice em alta e 10 em baixa — descolando das bolsas americanas, que passaram o dia tentando sair do vermelho.

O rali de hoje não foi causado por dinheiro novo, e sim pela zeragem de apostas ‘contra’ os fundamentos da economia. Neste ambiente, muitos investidores que haviam alugado ações para vendê-las (com a expectativa de recomprá-las depois a um preço mais baixo) se viram forçados a recomprá-las agora.

A Bovespa fechou um fio de cabelo abaixo de sua média de 200 dias, um nível técnico que os investidores que se apoiam em gráficos consideram ser crítico. “A regra geral é: você vende a Bolsa quando ela está abaixo da média de 200 dias e só considera comprar quando ela está acima.”

A Petrobras — levada à beira da inadimplência pelos governos Lula e Dilma — subiu 16% sonhando com uma mudança de regime que lhe restaure a sanidade.

Na outra ponta, empresas exportadoras como Suzano e Fibria — com a maior parte da receita em dólar — foram esmagadas pelo afundamento da moeda americana. (A Embraer sofreu mais ainda, depois de divulgar um resultado pior do que o esperado. Caiu 14%.)

No mercado spot, o dólar fechou a 3,799 reais, o nível mais baixo desde 9 de dezembro.

Deu quase para lembrar os velhos tempos em que a Bolsa não era tóxica e o dólar era apenas para os covardes… No final do dia, alguns investidores compraram opções de venda, julgando o mercado ‘sobrecomprado’ no curto prazo.

Muitos fundos multimercados — que têm usado a estratégia de comprar o índice futuro enquanto ficam vendidos em empresas com maus fundamentos — podem ter se machucado hoje, já que empresas cujos balanços estão à beira do colapso — como Usiminas e Petrobras — subiram bem mais do que o índice. A Usiminas subiu 35%; Petrobras, 16%.

Como é a regra com o mercado, o movimento de hoje não permite tirar conclusões sobre o dia de amanhã. Mas depois desta quinta, nunca esteve tão clara a tese de que a mera perspectiva de mudança no Poder já é capaz de ‘reprecificar’ o País — ainda que o conserto de tudo que foi quebrado certamente vá demorar anos.

(Via agência)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

101