Image default
Cura na Natureza

O que a ciência diz sobre os remédios naturais para dormir

O desejo pelo sono muitas vezes surge quando a insônia nos atinge, e nesses momentos, buscamos frequentemente remédios caseiros em vez de recorrer a produtos farmacêuticos.

Raiz de alcaçuz ou valeriana, flor de camomila, aveia ou tília, folhas de tulsi, alface ou salsinha, casca de maçã ou aroma de lavanda… A simples menção dessas plantas evoca imagens de jardins serenos e xícaras de chá, trazendo uma sensação reconfortante.

No entanto, será que esses compostos realmente possuem propriedades que promovem o sono? Muitos desses produtos não fazem promessas específicas em suas embalagens, apenas sugerem ser uma opção natural para noites tranquilas ou tradicionalmente utilizados por sua ação sedativa contra a insônia.

Contudo, há estudos científicos que sugerem que vários desses ingredientes, entre outros, influenciam uma substância química cerebral crucial, o neurotransmissor ácido gama-aminobutírico, conhecido como GABA. Segundo James Coulson, professor de farmacologia clínica, terapêutica e toxicologia na Universidade de Cardiff, no País de Gales, a ativação dos receptores de GABA pode ter um efeito inibitório, levando à sedação em partes do sistema nervoso central.

Então, poderiam esses ingredientes dos remédios naturais para dormir serem a solução mágica para ajudar a pegar no sono? A resposta ainda está em aberto.

Is this conversation helpful so far?

Camomila

Vamos iniciar com as infusões, frequentemente compostas por ervas aromáticas, mel, cascas exóticas e flores delicadas, como a camomila, conhecida por sua popularidade.

Quando questionado sobre o efeito desses ingredientes nos receptores de GABA, Coulson respondeu: “Em todos esses ingredientes presentes nos chás, há uma grande variedade de substâncias químicas produzidas pela planta. No entanto, raramente temos certeza sobre qual é a substância química ativa ou grupo de substâncias químicas mais relevantes.”

“Na verdade, ainda não sabemos ao certo se eles interagem com os receptores de GABA ou não. Embora tenham sido realizados alguns estudos, o principal desafio reside nas diferenças metodológicas, como as doses utilizadas, a população estudada e os resultados avaliados.”

“Quando examinamos todas as pesquisas disponíveis, é difícil encontrar evidências conclusivas que indiquem um efeito reproduzível. Além disso, mesmo se estiverem exercendo algum efeito, ainda não sabemos qual seria a dose ideal para alcançá-lo.”

Valeriana

Um dos extratos de ervas mais conhecidos é o derivado da raiz da valeriana, uma planta originária da Europa e da Ásia que pode atingir até 1,5 metros de altura no verão, apresentando flores rosadas ou brancas delicadamente perfumadas.

Disponível na forma de chá, xarope e comprimidos, alguns produtos indicam as dosagens recomendadas, frequentemente destacando suas propriedades calmantes e seu potencial para aliviar a inquietação e facilitar o sono.

No entanto, conforme observado por Coulson, “ao analisar os extratos de óleos essenciais obtidos da raiz, encontramos uma combinação de mais de 150 substâncias químicas diferentes.”

“Ainda não chegamos a um consenso sobre qual (ou quais) dessas substâncias é o verdadeiro princípio ativo.”

“Há algumas indicações de que pelo menos uma delas pode atuar nos receptores de GABA, ou possivelmente nos receptores de serotonina.”

Mas quão robusta é essa evidência… é suficiente para afirmar que o extrato de raiz de valeriana é realmente útil?

“Ainda não chegamos a esse ponto”, responde Coulson.

“Além disso, não temos dados suficientes em humanos para demonstrar que o extrato realmente influencia os receptores de GABA.”

Diante disso, será que ele recomendaria o extrato de raiz de valeriana para alguém que enfrenta dificuldades para dormir?

“No momento, como médico, não há evidências suficientes para que eu possa fazer tal recomendação.”

Lavanda

O óleo de lavanda é o próximo da lista, com seu aroma considerado relaxante. Mas será que há alguma evidência sólida para isso?

Infelizmente, também não há.

Coulson explica que, como os fabricantes desses remédios naturais os rotulam como alimentos, eles seguem apenas os regulamentos relacionados à venda de produtos alimentícios.

“Se eles os declarassem como medicamentos, seriam tratados como qualquer outro produto farmacêutico, e é por isso que não temos dados científicos de alta qualidade sobre a maioria das preparações à base de ervas.”

A verdade é que “ainda não existem evidências que respaldem seu uso clínico”. No entanto, isso não nos impede de continuar usando-os, como tem sido feito ao longo dos séculos.

Além disso, há precedentes de medicamentos desenvolvidos a partir de remédios caseiros, como a aspirina, que é uma versão sintética do princípio ativo encontrado na casca do salgueiro.

“De fato, a maioria dos principais compostos em nossa indústria farmacêutica vem de produtos naturais, mas requerem muita otimização para se tornarem medicamentos”, observa Coulson.

“Dito isso, eu mesmo aprecio o aroma da lavanda e acho que é bastante relaxante, então posso entender por que as pessoas gostariam de usá-la.”

Então, finalmente, um ponto positivo para as plantas sem muito processamento?

“Qualquer coisa que te faça se sentir mais relaxado e confortável tem mais probabilidade de ajudá-lo a dormir.”

Stephanie Romiszewski, fisiologista especialista em sono, concorda:

“Se você se sentir bem tomando um chá sem cafeína, ótimo.”

“É benéfico para o relaxamento e para ajudar o seu corpo a iniciar o sono.”

No entanto, Romiszewski adverte que, se você realmente tiver um problema, nenhum tipo de relaxamento será suficiente para ajudá-lo a dormir.

Isso não significa necessariamente que você precise recorrer a produtos farmacêuticos.

E agora?

“Acredito que se você tem boas experiências com, por exemplo, um spray de lavanda, que te faz sentir bem, e sua expectativa é simplesmente de se sentir bem, sem a expectativa de que ele te faça dormir, então não vejo nenhum problema”, diz a especialista.

“Mas se esses remédios se tornarem uma muleta e você acreditar que, sem eles, terá uma noite pior de sono, isso é preocupante, pois perpetua a insônia crônica real e faz com que você naturalmente sinta que há algo errado.”

Quanto ao conselho para quem tem dificuldade em adormecer ou acorda frequentemente durante a noite e fica acordado, a especialista oferece sua orientação:

“Se você está tendo problemas para dormir por um curto período de tempo, meu melhor conselho seria não fazer nada.”

“Relaxe, deixe seu corpo se ajustar e não altere drasticamente seu comportamento. Vai ficar tudo bem.”

“Para aqueles que têm problemas crônicos de sono, ou seja, há mais de três meses, eu recomendaria o tratamento mais embasado em evidências: a terapia cognitivo-comportamental para insônia (TCC-I).”

Ela explica que esse tratamento visa interromper os padrões de sono prejudiciais e estabelecer novos.

“É importante ver a insônia não como um problema isolado, mas como um padrão, entendendo que somos humanos, não máquinas. A consistência é fundamental, não a perfeição.”

Ela está tão confiante de que podemos lidar com esses padrões que propõe um desafio.

“Eu apostaria qualquer quantia de dinheiro que se você começar a acordar no mesmo horário todos os dias, começará a se sentir melhor. Não apenas seus ciclos de sono-vigília vão melhorar, mas também a regulação do seu humor, temperatura e apetite.”

Related posts

Chá de alfavaca e suas propriedades benéficas para a saúde

admin

Benefícios do chá de folha de amora

admin

Benefícios do chá de catuaba para a saúde, você não vai acreditar

admin

Leave a Comment