04/02/2015

09:53

Por: Alberto Silva

Saiba como os atiradores agiram e mataram 12 pessoas em Paris.

Até o policial que fazia a escolta pessoal do chargista Charb foi morto; uma pessoa conseguiu se esconder embaixo da mesa e escapou

 

Um massacre com kalashnikov em plena conferência de redação do jornal “Charlie Hebdo”, troca de tiros policiais, um deles friamente executado após ter sido ferido. O ataque contra o semanário humorístico francês foi cometido com uma violência inusitada.

Por volta das 11h20, hora de Paris (8h20 de Brasília), dois homens vestidos de preto, encapuzados e armados com fuzis kalashnikov, chegaram ao número 6 da rua Nicolas Appert, no 11º distrito de Paris, onde ficam os arquivos do “Charlie Hebdo”. Eles gritam, “A Charlie Hebdo fica aqui?”. Após verificar que estão no endereço errado, se dirigem ao número 10 da mesma rua, onde fica a sede do semanário.

Uma vez dentro do prédio, abrem fogo contra o recepcionista e sobem ao segundo andar, onde fica a redação. “Os dois homens atiram e matam à sangue-frio as pessoas reunidas na conferência de redação e o policial encarregado da proteção do chargista Charb, que não tem tempo de reagir”, explicou à AFP uma fonte policial.

Só uma pessoa, que consegue se esconder debaixo da mesa, sobrevive ao massacre. O sobrevivente ouve os dois homens gritarem “vingamos o profeta” e “Alá Akbar” (“Alá é o maior”), segundo a mesma fonte.

Por volta das 11h30 locais (8h30 de Brasília), um telefonema para a polícia alerta para os tiros na sede do “Charlie Hebdo”. Policiais são enviados ao local imediatamente.

Os dois atacantes fogem, gritando novamente “Alá Akbar”, e ficam frente à frente com uma patrulha da brigada anti-crime da polícia. Um intenso tiroteio se segue.

Os criminosos conseguem fugir a bordo de um automóvel Citroën C3 preto e encontram um veículo da polícia. Fazem dez disparos contra o para-brisas e ferem os dois policiais a bordo.

Outros policiais atiram contra eles, que respondem aos disparos. No bulevar Richard-Lenoir, uma larga avenida do 11º distrito, um policial uniformizado é atingido por um disparo e cai no chão, exibe um vídeo difundido pela internet.

Os dois homens descem do carro e se aproximam, correndo, do policial, que ergue as mãos e pergunta, “querem me matar?”. Um dos homens se aproxima dele e responde, “está bem, chefe”, antes de acertar um tiro na cabeça do policial, sem se deter.

Os dois agressores voltam ao carro. Eles gritam, “Vingamos o profeta Maomé! Matamos a Charlie Hebdo!”, antes de partir novamente no carro, segundo outro

Um pouco mais longe, em uma praça, eles batem contra outro veículo e deixam o motorista levemente ferido. Em seguida, abandonam o automóvel um pouco mais distante, no 19º distrito da capital.

Depois disso, atacam um outro motorista e fogem para o norte de Paris levando o carro dele. A polícia, então, perde seu rastro.

No ataque e durante sua fuga, os dois homens mataram 12 pessoas e feriram 11, quatro com gravidade. No total, oito jornalistas morreram.

Segundo o ministro do Interior, são procurados “três criminosos” envolvidos no ataque, mas não definiu o papel desempenhado pelo terceiro.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

55

Clique aqui