03/08/2015

14:56

Por: Alberto Silva

Na sede da PF Dirceu chora e diz ” Desta vez eu não vou segurar o pato sozinho”

Ex­-ministro da Casa Civil José Dirceu, preso nesta segunda- feira (3) em nova fase da Operação Lava Jato, já esperava que fosse detido.
O relato de amigos e aliados que conversaram com ele nas últimas semanas é que o petista demonstrava estar fragilizado emocionalmente e fisicamente, mas conformado com a possibilidade de ser preso durante o cumprimento de pena domiciliar pelo escândalo do mensalão.

Segundo a descrição deles, o número dois no início do governo do ex-presidente Lula estava abatido, com olhar perdido e sem a voz de comando característica de seu tempo de militância política e de trajetória partidária.

” Desta vez eu não vou segurar o pato sozinho”
O petista havia perdido peso e estava preocupado com o fato de não ser mais réu primário e com a possibilidade de seu irmão Luiz Eduardo de Oliveira e
Silva, sócio dele na JD Consultoria, também ser detido, o que ocorreu nesta segunda.
Em sua residência em Brasília, onde cumpria prisão domiciliar, José Dirceu passava boa parte do tempo nas últimas semanas com sua filha mais nova, Maria Antônia, de 5 anos.
Ele a carregava no colo e assistiam a desenhos animados juntos. Nesse período, seu advogado, Roberto Podval, chegou a dormir duas noites em sua
residência.
Nesse período, seu advogado, Roberto Podval, chegou a dormir duas noites em sua residência. “Dirceu tinha vontade de ser redescoberto depois do mensalão, mas agora a
vontade dele era de ser esquecido”, resumiu um aliado petista.
Ele acordava cedo e fazia questão de ler todos os jornais, blogs e sites jornalísticos. Em um caderno, fazia anotações do que considerava incongruências e equívocos nas acusações contra ele. Com quem conversava, negava sistematicamente que havia recebido propina. Às pessoas que o visitavam o petista sempre externava a preocupação com o futuro da filha Maria Antonia e também com o longo período que poderia
durar sua detenção.
Chamava a atenção dos amigos a postura “totalmente entregue”, diferente dos tempos em que ficou detido no presídio da Papuda, em Brasília, quando manifestava se sentir um preso político e fazia planos de reconstruir a vida pública.
O ex­ministro da Casa Civil foi citado em depoimento pelo ex­executivo da Toyo Setal Julio Camargo, segundo o qual entregou R$ 4 milhões em dinheiro vivo ao petista a pedido do ex­diretor da Petrobras Renato Duque.
Ele virou alvo dos procuradores da Operação Lava Jato porque várias empreiteiras sob investigação fizeram pagamentos à empresa de consultoria que ele abriu depois de deixar o governo do ex­presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2005, no auge do escândalo do mensalão.
O ex­ministro faturou como consultor R$ 39 milhões entre 2006 e 2013. Empresas investigadas pela Lava Jato pagaram a ele R$ 9,5 milhões, num período em que o diretor de Serviços da Petrobras era Renato Duque, apontado como afilhado político de Dirceu –o que ele nega– e atualmente preso em Curitiba.

CASA NOVA
Antes de se tonar um dos focos da Operação Lava Jato, o ex­ministro José Dirceu tinha planos de retomar a vida e se mudar para Vinhedo (SP). Há cerca de dois anos, comprou uma nova casa em um condomínio fechado na cidade e a reformou.
Os honorários da arquiteta foram pagos pelo lobista Milton Pascowitch, que disse, em seu acordo de delação premiada, que intermediou pagamentos de propinas ao petista. Apesar do investimento na residência em Vinhedo, Dirceu nem chegou a conhecer o imóvel.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

66

Clique aqui