29/09/2015

11:13

Por: Alberto Silva

Na ‘Onu’, Dilma gagueja ao dizer que seu Governo, o PT, não tolera corrupção..

..mesmo estando tudo escrito, ato falho ocorreu mesmo com a presidente lendo o texto no TP, até ela sabia que naquele momento estava mais uma vez mentindo para o mundo.

A presidente aproveitou o espaço a ela aberto na 70ª Assembleia Geral da ONU para passar a ideia de que estaria combatendo a corrupção, o que sabemos ser algo mais próximo da lorota do que da verdade. No trecho destacado por Josias de Sousa, mesmo lendo o texto no TP, Dilma simplesmente gagueja ao tentar defender que não passa pano para corruptos. “O governo e a sociedade brasileiros não toler… e… Não toleram e não tolerarão a corrupção.” Mera coincidência? Talvez.

Ao fazer o discurso de abertura dos debates da 70ª Assembleia Geral da ONU nesta segunda-feira (28), em Nova York, a presidente Dilma Rousseff voltou a defender a democracia e disse que não tolera a corrupção.

“O governo e a sociedade brasileiros não toleram a corrupção. A democracia brasileira se fortalece quando a autoridade assume o limite da lei como o seu próprio limite”, disse Dilma.

“Os avanços que logramos nos últimos anos foram obtidos em um ambiente de consolidação e de aprofundamento da democracia”, defendeu a presidente, afirmando ainda que os brasileiros querem um país em que “juízes julguem com imparcialidade, sem pressão de qualquer natureza, de qualquer paixão”.

A fala de Dilma ocorre em meio a uma crise política que afeta seu governo e a articulações da oposição para levar adiante a abertura de um processo de impeachment, já classificado pela presidente como uma tentativa de golpe.

Citando o ex-presidente uruguaio José Mujica, pouco antes de encerrar seu pronunciamento, Dilma falou mais uma vez sobre democracia: “Nenhuma democracia é perfeita porque não somos perfeitos, mas temos que defendê-la para melhorá-la, não para sepultá-la (…). O Brasil não abrirá mão das conquistas pelas quais tanto lutamos”, disse.

Medidas econômicas no limite

Sobre a situação econômica atual, a presidente afirmou que não é possível prosseguir com as medidas tomadas nos últimos seis anos.

“Por seis anos, buscamos evitar que os efeitos da crise mundial que eclodiu em 2008 no mundo desenvolvido se abatessem sobre nossa economia e nossa sociedade. Por seis anos, adotamos um amplo conjunto de medidas, reduzindo imposto, ampliando crédito, reforçando investimento e o consumo das famílias. Aumentamos os empregos, aumentamos a renda nesse período. Esse esforço chegou agora no limite, tanto por razões fiscais internas, como aquelas relacionadas ao quadro externo”, declarou.

Dilma também apontou a alta do dólar como culpada pela inflação no Brasil. “A desvalorização cambial e as pressões recessivas produziram inflação e forte queda da arrecadação, levando a restrições nas contas públicas. O Brasil, no entanto, não tem problemas estruturais graves, nossos problemas são conjunturais.”

“Diante dessa situação estamos reequilibrando nosso orçamento e assumimos uma forte redução de nossas despesas, dos gastos de custeio e até de parte do investimento”, afirmou.

O VÍDEO COMPLETO AQUI

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui