16/12/2015

09:58

Por: Alberto Silva

Lote de vacina vencida pode estar sendo a causa da Microcefalia em bebês recém nascidos?

Informação espalhada pelas redes sociais afirma que um lote de vacinas vencidas contra a rubéola causaram microcefalia em recém-nascidos! Será?

A notícia surgiu na primeira semana de dezembro de 2015 e rapidamente se espalhou através do Facebook e do WhatsApp. Segundo o alerta, um lote de vacinas contra a rubéola teria sido aplicado em grávidas, mas como a data de validade das vacinas estava vencida, os bebês acabaram nascendo com microcefalia.

O texto ainda relaciona a malformação nos bebês com vírus zika e acusa o governo de encobrir tudo para não ter que indenizar as crianças!

Será que isso é verdade?

Verdade ou falsa?

As acusações foram espalhadas pelas redes sociais sem que nenhuma prova fosse apresentada! Uma das características de um boato digital é justamente a de fazer afirmações absurdas sem que haja a necessidade de se provar nada.

Além disso, o boato se apoia em um assunto que está em evidência no momento para atrair mais cliques e conquistar mais compartilhamentos.

Em algumas versões, o lote de vacinas vencidas teria sido usado em grávidas de Pernambuco. Já em outras versões, o fato teria ocorrido em Sergipe e/ou “em algum lugar do nordeste”! Bem vago, né?

As dúvidas iniciais desse alerta são:

  • Como o criador do boato sabe que as vacinas estavam vencidas?
  • Quando foram aplicadas essas vacinas?
  • Onde foram aplicadas essas vacinas?

Nenhuma foto, nenhum documento… nada! É só a palavra do boateiro!

O Jornal Extra publicou desmentido a respeito, juntamente com uma nota divulgada pelo Ministério da Saúde, que esclarece que não há nenhuma evidência na literatura nacional e internacional de que vacinas possam causar microcefalia.

O governo também explicou que:

“[…]desde 1983, os lotes por amostragem de imunobiológicos adquiridos pelos programas oficiais de imunização vêm sendo analisados, garantindo sua segurança, potência e estabilidade, antes de serem utilizados na população.[…]”

Uma reportagem feita pelo Jornal Zero Hora publicada no dia 10 de dezembro de 2015 esclareceu mutas dúvidas a respeito do zika e da microcefalia. Com a ajuda dos especialistas Lavínia Schuler-Faccini, presidente da Sociedade Brasileira de Genética Médica e professora da UFRGS, e Paulo Behar, chefe do serviço de infectologia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, o jornal explica que:

  • Não há nenhuma relação entre vacina contra a rubéola e microcefalia;
  • Nos países africanos onde há a presença do vírus zika, a falta de registros sobre má-formações em recém-nascidos e a alta mortalidade infantil impossibilitam o controle de casos de microcefalia;
  • Na Polinésia Francesa, os pesquisadores ainda estão buscando evidências sobre a relação entre o vírus essa má-formação;

Essa reportagem da Revista Época explica que, diferente do que o boato alega, o surto de zika não está concentrado no nordeste, mas já se espalhou por todo o país!

Conclusão

Não há nada que comprove que grávidas receberam vacinas vencidas contra a rubéola e muito menos que essas vacinas tenham causado microcefalia em bebês. O boato se aproveitou do assunto “zika” para se espalhar mais rapidamente!

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

99