06/01/2017

15:49

Por: Alberto Silva

Jornal americano ‘The New York Times’ critica governo de Temer: Fim do mundo é no Brasil, veja…

Colunista do The New York Times critica governo brasileiro e suas novas medidas.

A jornalista Vanessa Barbara, colaboradora do The New York Times e também colunista do Estadão, publicou ontem (5/1) um texto, cujo o título é: “FIM DO MUNDO? JÁ É AQUI NO BRASIL”. O título não poderia ser mais coeso com a atual situação do país.

O fim do mundo já chegou ao Brasil. Pelo menos é o que as pessoas aqui estão dizendo. Uma emenda constitucional aprovada pelo Senado no mês passado está sendo chamado de “o fim do mundo” alteração por seus oponentes. Por quê? Porque as conseqüências da emenda parecem desastrosas – e duradouras. Ele vai impor um limite de 20 anos em todos os gastos federais, incluindo a educação e cuidados de saúde.

"Para alguns brasileiros, pelo menos, o fim do mundo é o início de uma oportunidade de ouro", escreveu.

Deve ser duro para os gringos entenderem, agora que já não estamos mais no tempo das ditaduras, como:

O Sr. Temer possa realizar tantas reformas, especialmente considerando a maioria delas, incluindo o limite do orçamento, ir contra a agenda da pessoa que – ao contrário do Sr. Temer – realmente ganhou a eleição presidencial mais recente.

Vanessa continua:

Além do limite de gastos, Temer apresentou uma proposta de reforma do sistema de pensões do Brasil. Sua proposta fixará uma idade mínima de aposentadoria de 65, em um país onde a pessoa, em média se aposenta em 54. A lei também exigirá pelo menos 25 anos de contribuições para o sistema de segurança social, tanto por homens e mulheres. Há boas razões para o Brasil não ter aprovado leis como essa antes.Embora a expectativa de vida média no Brasil seja de 74 anos , nós somos um dos países mais desiguais do mundo. Por exemplo, em 37 % dos bairros da cidade de São Paulo, as pessoas têm expectativa de vida inferior a 65 anos. É ainda mais curta para os pobres rurais.

E continua explicando a reforma trabalhista que precariza o trabalho e permite jornadas de até 12 horas, além da terceirização indiscriminada, Afirma que, por isso, não é “surpreendente que a administração Temer seja profundamente impopular: uma pesquisa em dezembro descobriu que 51% dos brasileiros a classificaram como “ruim” ou “terrível” e apenas 10% dos entrevistados disseram aprová-lo”.

Mas estes 10% são uma categoria muito específica, esclarece a colunista:

No entanto, o novo governo já recebeu o apoio total das seguintes organizações: Federação Brasileira de Bancos, Frente Parlamentar da Agricultura, Confederação Nacional da Indústria, Organização Mundial do Comércio, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo e do Estado do Rio de Janeiro,  Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil, a Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores e e de vários altos executivos.

E, então, pra quem não entendeu ela resume:

Para alguns brasileiros, pelo menos, o fim do mundo é o início de uma oportunidade de ouro.

(Via Agência de Notícias e 247)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

100