26/08/2016

10:08

Por: Alberto Silva

Ibama nega pedido da Samarco para adiar retirada de lama em hidrelétrica – Veja

O Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama) negou pedido feito pela Samarco para adiar a retirada da lama acumulada na hidrelétrica de Candonga, no Rio Doce, depois do rompimento da barragem de Fundão, que pertence à mineradora, em Mariana, no dia 5 de novembro de 2015.

Conforme o superintendente do instituto em Minas, Marcelo Belisário Campos, a Samarco não conseguiu cumprir acordo fechado com o Ibama e tentou alterar o prazo. A previsão inicial era que o trabalho fosse concluído em dezembro de 2016. Em relatório emitido pelo instituto em abril, foi constatado que Candonga, localizada entre os municípios de Rio Doce e Santa Cruz do Escalvado, a 100 quilômetros de onde se encontrava a barragem de Fundão, pode ruir.

Em nota, a Samarco afirmou que o volume de lama na represa é maior que o projetado pela empresa. “Quando da assinatura do TTAC (Termo de Transação e Ajuste de Conduta), em março, a estimativa era que havia cerca de 550 mil metros cúbicos de rejeitos nos primeiros 400 metros desde o barramento de Candonga. Até o final do ano será retirado do reservatório um volume maior do que este compromisso: 686 mil/m³. Mas em nova batimetria (medição) executada após o período chuvoso de 2015/2016 foi constatado que o total de rejeito na área havia atingido 1,3 milhão de metros cúbicos. É esse aumento no volume do rejeito, além da criação de áreas ambientalmente corretas para sua destinação, que obriga o prolongamento do trabalho de dragagem até junho de 2017”.

Ao negar o pedido, o Ibama afirma que “o prazo do acordo é limite, acordado entre as partes, e por se tratar de questão emergencial deve buscar a todo momento alternativas que não só recuperem os cronogramas mas que especialmente os antecipem não se admitindo atrasos os quais, para o caso específico, podem colocar em risco a estabilidade da estrutura de grande porte da Usina Hidrelétrica – Candonga demandando ações preventivas considerando cenários catastróficos os quais não podem ser descartados”.

(Via Agencia)

 

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

55

Clique aqui