28/08/2015

13:02

Por: Alberto Silva

“Foi só promessa de campanha” Em Minas Pimentel (PT) não cumpre corte de 20%

Apesar de o governador Fernando Pimentel (PT) ter anunciado, como vitrine de sua gestão, um corte de 20% nos cargos comissionados em Minas Gerais, a redução desses postos entre janeiro e agosto ficou próxima a zero.

O anúncio foi feito pelo governador em propaganda do PT de Minas de abril deste ano. Nela, Pimentel também critica gastos das gestões dos tucanos Aécio Neves e Antonio Anastasia, que governaram o Estado de 2003 a 2014.

No entanto, o próprio governo admite que o chamado “corte” foi apenas a transferência de verbas destinadas à nomeação de cargos de confiança das pastas antigas para secretarias recém-criadas.

Com essa transferência, a administração petista calcula que, do valor total, economizou apenas 0,27% -aproximadamente R$ 40 mil.

A informação foi dada em 3 de agosto, em resposta a requerimento feito pela oposição via Lei de Acesso à Informação e obtido pela Folha.

Assinado pela Secretaria de Planejamento, o ofício ainda diz que a reforma administrativa conduzida no início do ano não tinha como propósito a extinção de cargos, mas aumentar a estrutura do Estado sem impacto financeiro.

Questionado pela reportagem, o governo não respondeu por que a transferência de verbas foi classificada de “corte” na propaganda.

No governo Pimentel, o número de secretarias subiu de 17 para 20. Foram criadas as pastas de Direitos Humanos e Desenvolvimento Agrário, que abrigam aliados petistas ligados a movimentos sociais.

Além disso, o petista dividiu uma secretaria em duas, Esporte e Turismo, cujos comandos ficaram respectivamente nas mãos de pessoas ligadas ao PRB e ao PC do B. Para evitar custos extras, foram fechados escritórios administrativos.

Minas usa um sistema de pontos para distribuir o número de vagas com comissionados que cada órgão pode bancar. Ao assumir, Pimentel pediu que os secretários deixassem 20% dos pontos vagos, que seriam extintos ou usados em outro local.

Em nota, o governo afirma que bloqueou 20% dos cargos comissionados que, posteriormente, foram transferidos a novas secretarias.

Desde que assumiu o governo, Pimentel tem destacado a situação deficitária do Estado, que prevê um rombo de R$ 7 bilhões em 2015.

“A situação [das finanças de Minas Gerais] é grave”, disse Pimentel na propaganda de abril. “Estamos arrumando a casa. Agora, já cortamos 20% dos cargos de confiança”, enfatizou.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

50

Clique aqui