15/01/2016

11:58

Por: Alberto Silva

Em SP galinha d’angola é a nova arma contra invasão de escorpiões

Na calada da noite, um morador de um condomínio luxuoso em São Paulo driblou a equipe de seguranças da portaria e infiltrou dez agitados soldados na luta contra um exército peçonhento.

Na manhã seguinte, “tô fraco, tô fraco”, galinhas-d’angola acordam os moradores, que neste verão viram seu sossego ter fim com a invasão de escorpiões. Daí a ideia de recorrer, às galinhas, predadoras naturais dos temidos artrópodes.

Pais e filhos deste condomínio de sete prédios e 200 casas no Morumbi (zona oeste de São Paulo) saem todas as noites à caça dos escorpiões. Sua presença, com uma ou outra aparição, já havia sido notada em 2013, quando o condomínio de 155 mil m² foi inaugurado.

Em janeiro, porém, a infestação piorou: moradores dizem ter encontrado cem escorpiões em só três dias. Duas cobras também apareceram nos últimos meses.

Os escorpiões ficam próximos a um muro que dá para um matagal grande e descuidado e que pertence à incorporadora e construtora Rossi Residencial, também autora do projeto do condomínio.

“O terreno abandonado e com lixo é um foco ideal para os escorpiões, pois aí encontram o que precisam: insetos, seu alimento natural, umidade e abrigo”, diz, por e-mail, o zoólogo Wilson Lourenço, que trabalha no Museu Nacional de História Natural francês, em Paris, e é um dos mais respeitados pesquisadores de escorpiões no mundo.

Segundo Lourenço, “se os moradores encontraram cem escorpiões em três dias de buscas visuais, isso significa que o número real pode ser multiplicado por dez ou até mais”. As galinhas, afirma ele, podem solucionar o problema “em parte” -ações como limpeza devem ser feitas ao mesmo tempo.

“As crianças passaram as férias dentro de casa”, conta a advogada Carolina Torres, mãe de uma menina de dois anos, enquanto alerta a filha, que tenta colocar os pés na grama: “descalça nem pensar, Gabi”. Moradores contrataram dedetização, tamparam ralos e frestas de portas. “Estamos assustados”, diz ela.

Os escorpiões ainda não picaram ninguém. Segundo Lourenço, os mais perigosos são os amarelos com 4 cm a
6 cm. A advogada diz que os bichos achados no condomínio são marrons e amarelos.

“Hoje, depois do futebol, vamos caçar escorpiões”, se empolga Rafael, 10, um dos filhos-caçadores do condomínio, já acostumado à rotina. O campo de futebol faz parte de um clube de 8.000 m² dentro do condomínio, com pista de skate, duas quadras de tênis, academia e mais duas quadras poliesportivas.

Nas caçadas noturnas, moradores usam luzes ultravioletas, que fazem os escorpiões brilharem, e exterminam os bichos com álcool.

‘BONITINHAS’

Preocupados com uma possível desvalorização imobiliária e com a imagem do condomínio, parte dos moradores foi contrária à presença das galinhas-d’angola ou até da divulgação da infestação de escorpiões na imprensa. O síndico quis expulsar as galináceas.

Outros mudaram de ideia, quando viram que se tratava de animais mais “sofisticados”. “Pensavam que fossem galinhas caipiras. Quando viram que eram mais bonitinhas, aprovaram”, diz Torres.

“Viraram atração”, diz Vanessa Duck, assessora de casamentos. “Gente do outro lado do condomínio pegou o carro e levou os filhos para ver.”

Grãos de milho foram espalhados ao lado do muro onde ficam os escorpiões. O plano é comprar ao menos mais dez galinhas, que custam R$ 70 cada. Um grupo de 37 pessoas do condomínio, reunido em um grupo de WhatsApp (nome: “Galinhas-d’angola”), organiza as estratégias.

Essa parece estar dando certo: funcionários da limpeza relatam ter visto três galinhas disputando um escorpião.

Em nota, a Rossi afirma que contratou empresa especializada para limpeza e dedetização do terreno e que o trabalho começou quinta-feira (14). Segundo a empresa, o término da ação está previsto para o fim do mês.

Uma rua que fica entre a área particular e o cemitério Gethsemani, perto do condomínio, passará por limpeza nesta sexta-feira (15), segundo a prefeitura. “Foi verificada a presença de mato alto, lixo e entulho, fatores que propiciam a proliferação de escorpiões”, diz, em nota

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

108