03/09/2015

14:32

Por: Alberto Silva

Dúvidas da permanência de Levy gera instabilidade de Dólar bate R$ 3,80, no Turismo ja se fala em R$ 4,50

Alta é reforçada por questionamentos sobre se e por quanto tempo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ficará no cargo.
O dólar chegou a alcançar 3,81011 reais na manhã desta quinta-feira, no quinto dia seguido de valorização. Logo na abertura a moeda bateu 3,8014 reais, pela primeira vez desde dezembro de 2002, mostrando que não deve haver trégua para o mercado de câmbio, apesar de a agenda estar mais fraca.

O movimento de valorização da moeda americana reflete, sobretudo, o clima de incertezas no âmbito doméstico, acentuadas por questionamentos sobre se e por quanto tempo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ficará no cargo. Por volta das 10h20, a moeda americana era negociada a 3,7919 reais na venda, em alta de 0,85%.

Sobre a percepção de isolamento do ministro Levy, o jornal britânico Financial Times (FT) traz hoje uma reportagem com o título “O mãos de tesouras do Brasil batalha para tapar o buraco fiscal”, na qual ressalta que o mercado já especula sobre a permanência do ministro no cargo e diz que Levy “está lutando para fazer progresso em meio a uma economia enfraquecida e a uma crise política que tem diminuído a capacidade do governo para fazer qualquer coisa no Congresso”.

Visto como isolado na equipe econômica, a situação de Levy se agravou após a apresentação de um orçamento para 2016 com previsão de rombo, ideia a qual se opunha.

O investidor também digere dados dos Estados Unidos divulgados nesta quinta-feira, em especial o número de pedidos de auxílio-desemprego, que subiu para 282 mil na semana passada, acima da previsão de 274 mil. Já o déficit comercial no país caiu a 41,86 bilhões de dólares em julho, a previsão era menos 42 bilhões de dólares.

Quarta-feira– Ontem, a moeda americana terminou em alta de 1,94%, a 3,7598 reais para venda, maior nível desde 12 de dezembro de 2002, quando fechou o dia cotada a 3,785 reais. Em 2015, o dólar acumula alta de 41,41%. Na semana e no mês, a valorização é de de 4,87% e 3,66%, respectivamente.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui