17/06/2016

06:08

Por: Alberto Silva

Caiu a casa do PSDB – Marcos Valério pede para fazer delação sobre mensalão tucano

Azeredo foi condenado em primeira instância a 20 anos de prisão e responde em liberdade. Ele nega as acusações.


Warning: file_get_contents(https://free.sharedcount.com/?url=https%3A%2F%2Fpensabrasil.com%2Fcaiu-a-casa-do-psdb-marcos-valerio-pede-para-fazer-delacao-sobre-mensalao-tucano%2F&apikey=a2ad8859171bb2d2344e31170cd248e9846315ac): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 401 Unauthorized in /home/pensabrasil/www/wp-content/themes/pensabrasilportal/inc/share-bar.php on line 10

O publicitário Marcos Valério de Souza propôs ao Ministério Público de Minas Gerais nesta quinta-feira (16) um acordo de delação premiada sobre o mensalão tucano. Ele é réu no caso e foi condenado pelo mensalão do PT.

Segundo a defesa de Valério, o documento foi protocolado na 17ª Promotoria do Patrimônio Público de Belo Horizonte. Em abril, Valério também propôs à Justiça do Paraná apresentar informações sobre conexões entre omensalão e a Lava Jato. O acordo ainda não foi fechado.

Procurada, a Promotoria de Minas confirmou o recebimento do pedido e afirmou que irá avaliá-lo.

O publicitário cumpre pena de 37 anos, desde 2012, por formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e peculato. Ele está preso no Complexo Penitenciário de Nelson Hungria, em Contagem (Grande Belo Horizonte).

O publicitário cumpre pena de 37 anos, desde 2012, por formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e peculato. Ele está preso no Complexo Penitenciário de Nelson Hungria, em Contagem (Grande Belo Horizonte).

“Temos muitos fatos novos a relatar e o que posso dizer é que a delação dele será bem aproveitada”, afirmou à Folha o advogado de Valério, Jean Robert Kobayashi Júnior.

Kobayashi Júnior não divulgou detalhes dos pedidos e das informações que Valério fez no documento para “não estragar o acordo”.

Considerado um “embrião” do mensalão petista, o episódio é de 1998 e envolveu o desvio de recursos públicos para a fracassada campanha de reeleição do então governador Eduardo Azeredo (PSDB).

Azeredo foi condenado em primeira instância a 20 anos de prisão e responde em liberdade. Ele nega as acusações.

Valério era considerado o operador dos esquemas e é acusado de lavar dinheiro em suas empresas de publicidade, a DNA e a SPM&B.

Neste mês, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes determinou a abertura de um inquérito para investigar o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), sob acusação de ter participado de maquiagem de dados do Banco Rural, em 2005, com o objetivo de esconder o mensalão tucano em CPI.

Aécio diz que “jamais interferiu ou influenciou nos trabalhos de qualquer CPI”.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

59

Clique aqui