29/07/2015

09:10

Por: Alberto Silva

As maiores empresas no Brasil são réus na operação lava-jato #avergonhadobrasil

O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal do Paraná, aceitou nesta terça-feira (28) a denúncia formal do MPF (Ministério Público Federal) contra o presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e mais 12 citados por crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro no âmbito da operação Lava Jato.

OAS, Odebrecht, UTC, Camargo Corrêa, Techint, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Promon, MPE, Skanska, Queiroz Galvão, IESA, Engevix, SETAL, GDK e Galvão Engenharia #AvergonhaDoBrasil

Com a decisão, Marcelo Odebrecht, dono da maior empreiteira do país, é agora réu em ação penal da Lava Jato, que investiga um esquema bilionário de corrupção na Petrobras. Outros citados na decisão de Moro são o doleiro Alberto Youssef, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, e o ex-gerente da estatal Pedro Barusco. Os três já estão presos e colaborando com as investigações na forma de delações premiadas.

Marcelo Odebrecht e o presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques Azevedo, estão presos preventivamente desde junho e foram denunciados por corrupção, junto com outras 20 pessoas.

Segundo a decisão da Justiça, grandes empreiteiras do Brasil, “especificamente a OAS, Odebrecht, UTC, Camargo Corrêa, Techint, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Promon, MPE, Skanska, Queiroz Galvão, IESA, Engevix, SETAL, GDK e Galvão Engenharia, teriam formado um cartel, através do qual, por ajuste prévio, teriam sistematicamente frustrado as licitações da Petrobras para a contratação de grandes obras, e pagariam sistematicamente propinas a dirigentes da empresa estatal calculadas em percentual sobre o contrato”.

Ainda de acordo com o texto, o ajuste prévio entre as empreiteiras “eliminava a concorrência real das licitações e permitia que elas impusessem o seu preço na contratação, observados apenas os limites máximos admitidos pela Petrobras (de 20% sobre a estimativa de preço da estatal)”.

O MPF oficializou a denúncia na última sexta-feira (24) e pediu o ressarcimento de mais de R$ 7 bilhões aos acusados.

Segundo a denúncia, o grupo Odebrecht teria pago propina a dirigentes da Petrobras em seis obras e contratos com a estatal. Destes, cinco são consórcios que envolvem outras empreiteiras além da Odebrecht na refinaria Presidente Getúlio Vargas, na região metropolitana de Curitiba; na refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca (PE); em duas obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro; e para a construção do prédio sede da Petrobras em Vitória.

A sexta menção à Odebrecht foi um esquema no contrato de fornecimento de combustível nafta da Petrobras para a Braskem, empresa controlada pela Odebrecht, especificamente para cobrança de preço inferior ao preço internacional de comercialização. A propina seria na ordem de US$ 5 milhões de dólares por ano de duração do contrato à Diretoria de Abastecimento da Petrobras.

Veja a lista dos 13 réus da Lava Jato da ação penal, além de suas respectivas funções no esquema criminoso:

1) Alberto Youssef, doleiro que teria intermediado o pagamento de propina à Diretoria de Abastecimento da Petrobras;

2) Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, então diretor de empresas do Grupo Odebrecht e da Braskem Petroquímica, tido como diretamente responsável pela negociação de propinas nos contratos entre a Braskem e a Petrobras;

3) Bernardo Shiller Freiburghaus, citado como operador financeiro responsável por intermediar o pagamento de propinas no exterior para a Odebrecht;

4) Celso Araripe D’Oliveira, citado como gerente de empreendimento da Petrobrás beneficiário da propina;

5) Cesar Ramos Rocha, diretor de cinco empresas do grupo Odebrecht que estaria envolvido diretamente no repasse dos valores utilizados para pagar as propinas;

6) Eduardo de Oliveira Freitas Filho, representante da empresa Sul Brasil Construções Ltda., que teria repassado a propina do Consórcio OCCH a Celso Araripe;

7) Marcelo Bahia Odebrecht, presidente do grupo Odebrecht que segundo a denúncia estaria envolvido diretamente na prática dos crimes, orientando a atuação dos demais;

8) Márcio Faria da Silva, diretor da Odebrecht Plantas Industriais e Participações, que na época era Diretor da Construtora Norberto Odebrecht. Seria o representante da empresa no cartel das empreiteiras e suposto envolvido no pagamento das propinas;

9) Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobras e beneficiário da propina;

10) Paulo Sérgio Boghossian, representante da Odebrecht no consórcio da construção do edifício da Petrobras em Vitória;

11) Pedro José Barusco Filho, ex-gerente de serviços da Petrobras beneficiário da propina;

12) Renato de Souza Duque, ex-diretor de serviços da Petrobras beneficiário da propina;

13) Rogério Santos de Araújo, diretor da Odebrecht Plantas Industriais e Participações, que estaria envolvido como representante da empresa nos contatos com a Petrobrás e seria o responsável direto pelo pagamento das propinas aos dirigentes das empreiteiras.

Fonte: UOL

 

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

50

Clique aqui