18/04/2016

10:39

Por: Alberto Silva

PT perde, Dilma cai e petistas levam calote, nem pão com mortadela nem 30,00 reais

Manifestantes do PT chegaram a viajar a pedido da CUT cerca de 10 horas dependendo da cidade

Lamentável ver o que o PT consegue fazer e enganar essa gente. Apos a votação a promessa era de lanche e 30,00 por pessoas, simplesmente a desculpe que eles perderam e não tinha dinheiro pra pagar. Muito viajaram certa de 6 a 10 horas para se unirem as manifestações do PT. Nos Arcos da Lapa, centro do Rio, quando chegou a vez do voto derradeiro, os organizadores da mobilização contra o impeachment desligaram o som e também o telão, que foi alvo de algumas garrafas arremessadas.

A partir daí, houve choro, algumas pessoas se abraçaram. Um grupo reagiu com o coro: “Olê, Olê, Olê, Olá! Dilma! Dilma!”. Outros gritaram: “Vai ter luta” e “esquerda unida, jamais será vencida”. Militante do PT, a universitária Giovana de Souza Guinard, 29, chorava copiosamente, enquanto era consolada por sua mãe que também acompanhava a manifestação contra a deposição.

“A nossa luta não terminou. Nós vamos pra rua. Sofremos um golpe organizado pelos corruptos liderados por Eduardo Cunha”, disse Giovana àFolha. No calor do momento, representantes da Frente Brasil Popular convocaram um protesto para esta segunda-feira (18), às 18h, na Cinelândia.

DIVISÃO EM COPACABANA

Ao longo do dia, manifestantes ocuparam a praia de Copacabana em horários separados –os contra o impeachment na manhã e os a favor, à tarde– monitorados por um forte esquema de policiamento. Os dois protestos transcorreram de forma pacífica.

A esperada participação de moradores de comunidades, convocados pelos funkeiros da equipe de som Furacão 2000 e pela Frente Brasil Popular, que reúne sindicatos, associações e entidades de classe que apoiam o governo da presidente Dilma Rousseff, não se concretizou na proporção anunciada pelo organizadores.

“Mesmo que a massa não tenha descido em peso, a favela sabe que o governo do PT proporcionou uma vida melhor para os pobres”, disse o empresário Rômulo Costa, fundador da Furacão 2000.

A estilista Diana Schoekopf, 46, acompanhou os momentos finais da votação, mas é contrária ao impeachment. Moradora da avenida Atlântica, ela desceu para passear com seu cachorro e ver a reação dos manifestantes à votação.

“Esta crise que a gente enfrenta não é só brasileira, é mundial. Veio de fora. E o que a Dilma fez com as pedaladas não é roubo, é gestão de crise. Além disso, todos os outros presidentes fizeram o mesmo. Estou preocupada com o futuro do Brasil”, diz ela, que não votou nas últimas eleições.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

94