14/06/2016

17:25

Por: Alberto Silva

Neymar, não somos babacas – O babaca é você

Pouco menos de um mês antes de comemorarmos o segundo aniversário do 7 a 1, a Seleção passou mais um vexame. Depois da Copa do Mundo de 2014 e da Copa América de 2015, o Brasil mostrou que pode cair ainda mais e foi ridículo na Copa América Centenário.

O vexame é evidente. Os problemas, mais do que nítidos e comentados há muito tempo. A vergonha, enorme. Mas para Neymar, o principal parece ser atacar quem coloca o dedo na ferida e se preocupa com o triste momento do futebol brasileiro.

A questão é que Neymar é o craque, capitão, camisa 10 e referência da Seleção Brasileira. Como vários antes dele, como Cafu e o próprio Dunga, que tanto critico como “treinador”, ele precisa ter a postura e a conduta de um líder. Fazer selfies durante a partida de seus companheiros e ir ao Instagram atacar quem se preocupa com o futebol brasileiro não é a atitude correta. Não é a atitude de um líder.

A derrota humilhante para a seleção peruana e a consequente eliminação na primeira fase da Copa América foi pouco. O pior ainda estaria por vir.

Neymar me provou, mais uma vez, o que sempre comentei: ele é um craque, faz toda a diferença em qualquer time, mas nunca deveria ser capitão. O camisa 10 brasileiro não tem a mínima condição de usar a braçadeira.

Deprimente sob todos os aspectos ver as palavras de baixo calão usadas por Neymar, ‘guardado’ para a Olimpíada, nas redes sociais. Na tentativa de justificar o injustificável e saindo em defesa do grupo e do técnico Dunga, Neymar apelou.

Merda, foda-se, babacas’ foram alguns dos termos usados por aquele que é chamado de craque no Barcelona e segue devendo com a camisa da seleção. Devendo na bola e agora devendo bons exemplos. Atitude grosseira, desnecessária e prepotente.

Neymar esquece que, infelizmente, é exemplo para alguns jovens.  Fico imaginando a reação das empresas, e não são poucas, que contrataram Neymar, muito bom de selfie, como garoto-propaganda.

O ‘ídolo’ do futebol brasileiro é absolutamente despreparado e fraco emocionalmente. Atitudes como essa talvez possa explicar suas recentes expulsões com a camisa da seleção.

Me recordo das palavras de René Simões no episódio envolvendo Neymar e Dorival Jr:  ‘Estamos criando um monstro’. Será?
Pobre e podre futebol brasileiro. E gol da Alemanha. Gol do Haiti. Gol do Peru.

(Via Agencia)

 

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

94