OutrosUncategorized

Nicolás Maduro acende estopim que levará América Latina à guerra

… Venezuela envia militares a região disputada e causa protesto da Guiana. As Forças Armadas da Venezuela enviaram na terça-feira (22) milhares de soldados à fronteira com a Guiana, no leste do país. A movimentação perto da área disputada entre os dois países levou a protesto do vizinho.

As atividades militares acontecem um dia após a Guiana ameaçar levar a disputa pela região de Essequibo à Corte Internacional de Justiça por considerar esgotados os esforços da ONU para resolver o conflito. aqui

De acordo com o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, as tropas realizam um exercício militar. “Fazemos um exercício de deslocamento operacional. (…) Estamos nos preparando em todas as frentes.”

 O anúncio do ministro é feito minutos depois de o presidente da Guiana, David Granger, reclamar do reforço militar na fronteira. Para ele, seu colega Nicolás Maduro segue um rumo perigoso ao evitar uma solução pacífica.

 “Achamos que a Venezuela está tomando neste ponto um caminho perigoso em vez de buscar uma solução pacífica para o assunto. A Venezuela parece seguir um rumo ofensivo e agressivo.”

 Granger busca o apoio de países da América antes de se pronunciar sobre a disputa pela região de Essequibo na Assembleia-Geral da ONU, em discurso previsto para a próxima sexta-feira (25).

 Nele, defenderá que os limites entre os dois países foram acertados no tratado assinado entre a Venezuela e o Reino Unido em 1899. Caracas afirma que o documento foi fraudado para beneficiar na época aos britânicos.

 VOLTA

 A disputa fronteiriça entre Venezuela e Guiana foi reativada no final de maio depois que a companhia Exxon Mobil descobriu uma jazida de petróleo no litoral de Essequibo.

 O tema foi colocado em segundo plano em agosto quando o governo de Nicolás Maduro decidiu fechar sua fronteira oeste com a Colômbia, sob a alegação da atividade de grupos paramilitares e contrabando.

 A questão começou a ser resolvida na segunda (21) depois de reunião entre Maduro e o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, mediada pelo Equador e o Uruguai. Um dos pontos é a abertura progressiva da fronteira.

 A oposição ao chavista e outros críticos estrangeiros acusam o mandatário de usar as crises diplomáticas para poder ganhar as eleições parlamentares de dezembro.

(Via Gilnei Lima)

Related posts

Após Hillary quase desmaiar, médica afirma que democrata está com pneumonia

admin

Lewandowski é questionado em sala de aula por aluno revoltado com privilégios de juízes

admin

ASSISTA – Incrível, Membros da AGU ‘expulsam’ advogado da Dilma: “Adams, chegou a hora / de botar você pra fora!”

admin