OutrosUncategorized

Cheio de regalias, Sérgio Cabral além de comer camarão na prisão, ainda tem o privilégio de ficar na cadeia que ele construiu, saiba mais…

aqui

De governador a presidiário. Dos bistrôs de Paris e dos seus imóveis e bens luxuosos para Bangu. Do caviar ao pão com manteiga. Do amplo apartamento no Leblon, que tem o metro quadrado mais caro do estado, para uma cela de nove metros quadrados, com chuveiro, pia e dispositivo sanitário no chão, ironicamente, no complexo penitenciário inaugurado por ele em seu governo. Em poucas horas, o ex-governador Sérgio Cabral Filho descobriu uma dura realidade, depois de ter sido o homem mais poderoso do Rio de Janeiro por duas vezes, entre 2007 e 2014. Preso na manhã de quinta-feira pela força-tarefa da Operação Lava-Jato, acusado de desviar R$ 224 milhões dos cofres públicos em organização criminosa que fraudou contratos de obras, Cabral teve a cabeça raspada depois de dar entrada em Bangu 8 na noite de quinta-feira.

Cabral fez um pedido ao entrar na cela que vai ocupar por tempo indeterminado em Bangu 8: escolheu dormir na cama de baixo de um dos beliches. Passou a primeira noite na prisão na companhia de cinco velhos conhecidos e, segundo o Ministério Público Federal (MPF), integrantes do mesmo esquema de corrupção. Estão no mesmo ambiente o ex-assessor Paulo Fernando Magalhães, os operadores Carlos Emanuel Miranda e José Orlando Rabelo, o ex-secretário de Obras Hudson Braga e Luiz Paulo Reis, apontado como laranja de Braga. Todos cumpriram o ritual de entrada no sistema carcerário e tiveram os cabelos raspados. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que não há determinação judicial para que os acusados fiquem em celas separadas.

A Seap informa ainda que todos os internos do sistema penitenciário fluminense são tratados de forma igualitária, com direito a banho de sol, refeições e visitas após o cadastramento “ A secretaria informou que o “tamanho das celas são (sic) de acordo com o que determina a Lei de Execuções Penais.

Para passar o tempo, Cabral levou o livro Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo, de Karen Armstrong. A obra, que analisa as origens do extremismo religioso nas três religiões, foi levada pelo ex-governador na mochila que carregou para o presídio. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) negou que Cabral e o também ex-governador Anthony Garotinho, preso na quarta-feira, sob acusação de comprar votos na campanha eleitoral em Campos (RJ) e levado para o complexo de Bangu, estivessem sendo favorecidos por regalias. “Cabe ressaltar que a unidade é destinada a pessoas que possuem nível superior”, informou o órgão em nota. O cardápio de almoço e jantar contém arroz ou macarrão, feijão, farinha, carne branca ou vermelha (carne, peixe, frango), legumes, salada, sobremesa e refresco. “O desjejum é composto por pão com manteiga e café com leite. Já o lanche é um guaraná e pão com manteiga ou bolo”, segundo a nota.

“A Seap informa ainda que todos os internos do sistema penitenciário fluminense são tratados de forma igualitária, com direito a banho de sol, refeições e visitas após o cadastramento “ A secretaria informou que o “tamanho das celas são (sic) de acordo com o que determina a Lei de Execuções Penais”. A área mínima, segundo a legislação, é de 6 metros quadrados. Titular da Seap, o coronel Erir Ribeiro da Costa Filho também negou regalias aos dois ex-governadores. Segundo ele, as galerias não foram esvaziadas para a chegada de Cabral, como chegou a ser divulgado nas redes sociais. O cardápio é o mesmo dos outros presos. “Eu sigo as regras. Quem ingressa no sistema é tratado igual a cada um dos internos que já estão lá”, afirmou o secretário. Bangu 8 tem capacidade para receber 154 presos, e hoje tem 130.

No âmbito da Operação Lava-Jato de Curitiba, a força-tarefa do Ministério Público Federal investiga pagamento de vantagens indevidas a Sérgio Cabral, em decorrência do contrato celebrado entre a Andrade Gutierrez e a Petrobras, sobre as obras de terraplenagem no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Já a força-tarefa da Lava-Jato, no Rio, investiga corrupção na contratação de diversas obras conduzidas no governo do peemedebista, entre elas, a reforma do Maracanã para receber a Copa do Mundo de 2014, o PAC Favelas e o Arco Metropolitano, financiadas ou custeadas com recursos federais. De acordo com a Procuradoria, apura-se, que, além das empreiteiras Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia, outras construtoras consorciadas para a execução das obras também teriam feito pagamentos de valores solicitados a título de propina, em patamar preliminarmente estimado em R$ 224 milhões.

Responsável pela fiscalização no Complexo Penitenciário de Gericinó, a promotora Valeria Videira esteve na manhã de ontem no local para uma inspeção sigilosa com a Seap. “A promotora constatou que não procedem os boatos de que o ex-governador Sérgio Cabral tenha tratamento privilegiado em Bangu 8. O ex-governador Anthony Garotinho encontrava-se no Hospital Penal Hamilton Agostinho, também sem receber privilégios”, afirmou o MP em nota.

(Via Redação)

Related posts

Catástrofe em SC já tinha sido previsto pela vidente Greice Cazella em Maio, assista aqui…

admin

Presidente do Irã, Rouhani, garante responder às sanções dos Estados unidos – Pensa Brasil – Conectado com você

admin

'Lula corrompe a sociedade brasileira', diz Hélio Bicudo

admin