OutrosUncategorized

Nos 45 minutos do segundo tempo, Dilma ainda tenta acordo com 'Cunha'

Preocupado com a possibilidade de sucesso do encaminhamento do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, o governo ainda tenta um acordo de última hora com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para tentar postergar o avanço da proposta. Desde a semana passada, ministros próximos à presidenta, como Jaques Wagner (Casa Civil) e Edinho Silva (Comunicação Social), procuraram o peemedebista na tentativa de fechar um acordo que adiasse a decisão do deputado sobre o pedido de impeachment elaborado pelos advogados Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior à solicitação.

O governo sinalizou com a possibilidade de dar uma espécie de trégua a Cunha no episódio das contas reveladas pelo governo da Suíça em seu nome, cuja existência ele nega, o que pode levar a seu pedido de cassação. A bancada federal do PT evitaria fazer críticas públicas, não defenderia seu afastamento e manteria distância de movimento pela cassação do peemedebista por quebra de decoro parlamentar. A base aliada, segundo a proposta, também não apoiaria um eventual processo no Conselho de Ética, cujo pedido deve ser protocolado nesta terça pelo PSOL. Atualmente, o Palácio do Planalto tem influência sobre pelo menos sete dos 21 deputados que integram o colegiado. Com o grupo, somado aos aliados do peemedebista, ele disporia de maioria para se tentar manter seu mandato. aqui

O acordo, no entanto, sofre resistência de Cunha. As conversas caminhavam bem até quinta-feira (09), mas a divulgação pela Procuradoria-Geral da República de detalhes das movimentações de dinheiro supostamente oriundo do petrolão pelas contas atribuídas a Cunha na sexta-feira (10) fizeram o clima azedar. Cunha atribui ao Planalto o foco dado pela PGR a seu caso no escopo da Operação Lava-Jato. Ele nega ter negociado com o Planalto. Se o acordo não vingar, o governo se preparará para o enfrentamento. Tentará carimbar no deputado a pecha de que age por vingança contra Dilma e irá liberar a base para trabalhar pela cassação do peemedebista. (Folhapress) 

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

31

Related posts

Coreia do Norte diz que aliança dos EUA coloca o mundo em situação à beira da guerra

admin

LULA e DILMA devem ocupar cargo imediato no Governo de Minas para evitar prisões na Lava-Jato

admin

Carlos Bolsonaro é o vereador mais votado no Rio

admin