PolíticaUncategorized

Justiça fazendo a limpa, Presidente do PT tem bens bloqueado e quebra sigilo

Cada dia é um..Emídio de Souza é acusado de improbidade administrativa por convênio firmado com instituto enquanto ele era prefeito de Osasco, na Grande São Paulo

Pedimos desculpas aos leitores estrangeiros, a Justiça Brasileira está limpando o Brasil… A Justiça decretou bloqueio de bens e a quebra do sigilo bancário e fiscal do presidente do PT paulista Emídio Pereira de Souza em ação de improbidade. Segundo a ação, o petista firmou convênio sem licitação com o Instituto Cidad, em 2010, no valor de 1,5 milhão de reais, quando exercia o mandato de prefeito do município de Osasco, na Grande São Paulo. A decisão é do juiz José Tadeu Picolo Zanoni, segundo o qual a promotoria aponta “fatos graves que, realmente, justificam a concessão das medidas”. aqui

A ordem, datada da última segunda-feira, atinge 4,2 milhões de reais, conforme pedido da promotoria, e alcança o petista e outros 12 investigados, entre pessoas físicas e jurídicas. São citados na ação Estanislau Dobbeck, ex-secretário de Finanças de Osasco, e Renato Afonso Gonçalves, ex-secretário de Assuntos Jurídicos, ambos da gestão Emídio. O período de quebra do sigilo do dirigente do PT paulista e dos outros acusados vai de janeiro de 2010 até 25 de maio de 2012.

O magistrado ponderou que, “tendo em vista o valor da causa e a necessidade de assegurar a reparação do dano, os bloqueios de imóveis e veículos já são suficientes para tanto”. Para o magistrado, o congelamento de valores em conta, principalmente das pessoas físicas, alcançaria dinheiro de salários e outras quantias impenhoráveis.

Prefeito de Osasco entre 2005 e 2012 e fundador do PT, Emídio foi eleito presidente do Diretório Estadual de seu partido em novembro de 2013 para um mandato de quatro anos. Em 2014, ele coordenou a campanha de Alexandre Padilha para o governo de São Paulo e colaborou diretamente na campanha de reeleição de Dilma Rousseff à Presidência.

A ação contra Emídio e os outros citados, ajuizada em 19 de janeiro, é subscrita por seis promotores de Justiça que integram o Projeto Especial Tutela Coletiva, braço do Ministério Público do Estado. O ponto central da ação é o convênio firmado em 24 de setembro de 2010 pela gestão Emídio com o Instituto Cidad destinado à “cooperação técnico-financeira para pesquisa na área de finanças públicas”.

Pelo contrato, o instituto deveria promover o “desenvolvimento de projeto de otimização das finanças públicas municipais, a partir de pesquisas, com levantamento de dados e de estatísticas que considerem as peculiaridades do Município, visando o desenvolvimento conjunto e uma nova metodologia de incremento das receitas públicas”. Seis dias depois de firmado o convênio, o governo Emídio efetuou o pagamento de 1,1 milhão de reais ao Instituto Cidad. Em 17 de dezembro de 2010, foram pagos mais 300 mil reais. Os promotores advertem que o instituto não detinha capacitação para justificar a dispensa de licitação pelo critério da “notória especialização”.

A investigação mostra que o Cidad repassou os valores a outras pessoas jurídicas. Os promotores ressaltam que a redistribuição de recursos era vetada.

A ação contra Emídio, seus ex-secretários e os outros citados destaca que o Tribunal de Contas do Estado condenou o Instituto a devolver ao município o valor de R$ 1.402.617.14, devidamente corrigido.

(com Estadão Conteúdo, VIA VEJA, FolhaPress. Agência) 

Related posts

Grávida passa por cesárea após levar um tiro na cabeça disparado pelo marido

admin

Queimar folhas de louro em casa? conheça os benefícios – Pensa Brasil – Conectado com você

admin

Sabrina Sato fala: “As peludas são as mais quentes, só perguntarem pra quem saiu comigo”, veja…

admin