29/07/2015

09:47

Por: Alberto Silva

Site que ensina estuprar, abusar de meninas, entre outras barbáries continua no ar

O site “Tio Astolfo” existe desde o ano passado, mas foi nesta semana que ele ganhou as páginas dos noticiários por trazer, entre outras ofensas, guias de como estuprar uma mulher. Apesar do repúdio e das investigações policiais que gerou, o endereço eletrônico ainda é válido na internet e, agora, remete o internauta para outro blog, chamado “Cauê Felchar – Uma Opinião Polêmica”, com conteúdo igualmente agressivo. Enquanto as polícias de vários Estados e o Ministério Público de São Paulo dizem investigar “preliminarmente” o caso, os sites continuam a incentivar todo tipo de violência, especialmente contra a mulher.

“Mulheres gostam de apanhar” e “Mulheres que utilizam anticoncepcionais são vagabundas”, publicados desde janeiro, estão no site.

“Eu ri do incêndio na Kiss, gostaria de ver mais tragédias desta categoria”, diz a chamada que aparecia nesta terça como destaque no endereço eletrônico. Em referência à morte de 242 jovens na boate Kiss, em Santa Maria (RS), em janeiro de 2013, o texto diz que, “assim como Deus destruiu Sodoma e Gomorra, um ambiente de homossexualismo e promiscuidade, destruiu a boate Kiss”. “Vocês podem se revoltar o quanto quiser, mas esta é a minha opinião. Por mim, tinha que morrer mais, tinha que ter morrido todos”, completa.1

Outros títulos como “Mulheres gostam de apanhar” e “Mulheres que utilizam anticoncepcionais são vagabundas”, publicados desde janeiro, estão no site. A repercussão do conteúdo gerou repúdio e comentários de muitos internautas que cobram Justiça e retirada imediata do site da internet. No entanto, nenhum dos órgãos que investigam o caso informou ter solicitado ao provedor a remoção.

O presidente da Comissão de Informática e Crimes Eletrônicos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG), Luís Felipe Silva Freire, disse que a tecnologia de hoje permite a retirada imediata dos sites da internet, no entanto, se o provedor for do exterior, isso pode dificultar. “Ao que parece, como o Tio Astolfo não tem o ‘br’ em seu endereço, tudo indica que está hospedado fora do país”, afirmou.
2
Mesmo assim, pelo fato do efeito do conteúdo ter alcance nacional, os autores poderão ser julgados pelas leis brasileiras. Em princípio, podem ser enquadrados na prática de “incitar o crime”, delito previsto no Código Penal com pena de três a seis meses de detenção. Mas outros crimes podem ser configurados.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

113

Clique aqui