12/09/2015

23:37

Por: Alberto Silva

Senador Ronaldo Caiado afirma “O impeachment é inevitável”

Existe uma diferença enorme entre descrever a dor e sentir a dor. Descrever a dor, por mais que a gente tenha capacidade de interpretar, jamais conseguirá retratar sua intensidade. Dor não se define, se sente e se busca tratamento.

Nós relatamos os problemas e as perspectivas de agravamento do quadro econômico-social, mas falhamos em conseguir transferir para a população brasileira as consequências e o que ainda estava por vir do colapso resultante desse governo. O brasileiro sente hoje a dor causada pelo desemprego, inflação, perda de direitos, aumento da carga tributária e da corrupção.

Agora vivemos a realidade como ela é. Junto à queda dos setores de serviços e industrial, o último pilar da economia brasileira que ainda mostrava musculatura para sobreviver aos desmandos do PT foi atingido. A agropecuária já convive com escassez de crédito, com taxas mixadas atingindo valores de mais de 20% ao ano e a explosão no preço de insumos tabelados em dólar. Não há mais setor, região ou classe imune à crise.

Esta semana atestamos que o mundo já entende aquilo que nós assistimos há tempos: a total incapacidade da presidente Dilma para governar o país; a ausência de legitimidade para coordenar um projeto de governo; e as atitudes descoordenadas de sua equipe, que adotou a política do “Topa Tudo por Dinheiro” —desde recriar e aumentar impostos até transformar a Receita Federal em lavanderia para repatriar dinheiro de origem ilícita. E o que mais puder tirar do bolso do brasileiro para tapar o rombo causado pelo PT.

Esse cenário foi diagnosticado pelas agências especializadas, influenciando todo o mercado de investimentos internacionais. Não foi preciso mais de oito meses de segundo mandato para entender o descontrole fiscal do país que foi ocultado na campanha de 2014. O descrédito de Dilma cresceu de forma ainda mais rápida com o rebaixamento do grau de investimento do país para um grau especulativo. O problema se estendeu para além do governo, atingindo também empresas públicas.

Esta semana, no entanto, podemos vislumbrar a primeira proposta concreta de saída para essa crise. Se recentemente citei a indefinição de forças políticas para atender aos anseios dos brasileiros, o passo mais importante começou a ser dado pelo Congresso, onde deputados e senadores instalaram um movimento coeso e suprapartidário Pró-Impeachment.

Teremos, a partir de agora, uma sintonia, um canal de comunicação com os brasileiros. Iremos, por meio dessa colaboração, fundamentar a abertura formal do pedido de impeachment de Dilma ao plenário da Câmara dos Deputados, instituição que tem a prerrogativa constitucional de autorizar o processo. O julgamento fica a cargo do Senado.

Esse gesto precisa estar ligado à articulação de todos os brasileiros. Para tal, existe o abaixo-assinado no site do movimento que promete mostrar a força expressiva da maioria dos brasileiros.

Ao mesmo tempo, é preciso sensibilizar e convencer cada parlamentar para que venha a ingressar no movimento que tem como único objetivo alforriar o povo brasileiro da corrupção, dos desmandos e da incompetência. A crise não tem outro DNA senão o do modelo petista do governo.

Esse 10 de setembro, data que marcou o início do movimento, passou a ser um dia histórico. Conseguimos conciliar o clamor da população com ações concretas. A governança da corrupção está com os dias contados.

(FOLHA)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui