07/10/2015

11:19

Por: Alberto Silva

PSDB quer CUNHA fora da Presidencia da câmara, “as contas na Suiça deixa ele em posição complicada”

A cúpula do PSDB no Congresso fechou questão quando à posição da sigla sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os principais líderes da legenda acordaram que os tucanos não devem nem "jogar pedra" nem "blindar" Cunha.


Warning: file_get_contents(https://free.sharedcount.com/?url=https%3A%2F%2Fpensabrasil.com%2Fpsdb-quer-cunha-fora-da-presidencia-da-camara-as-contas-na-suica-deixa-ele-em-posicao-complicada%2F&apikey=a2ad8859171bb2d2344e31170cd248e9846315ac): failed to open stream: Connection refused in /home/pensabrasil/www/wp-content/themes/pensabrasilportal/inc/share-bar.php on line 10

A ordem é aguardar o surgimento das provas de que o peemedebista aparece comobeneficiário de cerca de US$ 5 milhões em bancos da Suíça. Se isso acontecer, avaliam, a situação ficará “insustentável” e a saída de Cunha do comando da Casa será irremediável.

Líderes da legenda dizem que o próprio Cunha sabe de sua condição. Os tucanos, no entanto, avaliam que antecipar ou atuar para fragilizar o presidente da Câmara neste momento pode ser “improdutivo”. Cunha faz oposição ao governo Dilma Rousseff e tem a prerrogativa de instaurar um processo de impeachment contra a petista.

“Não nos cabe acusar nem blindar ninguém”, disse o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG). Em reunião da bancada nesta terça (6), o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), defendeu que, até que surjam as provas, a sigla não pode servir como linha auxiliar dos que pressionam Cunha.

Se as provas da existência das contas no exterior forem publicadas, aí a situação será incontornável.

Nos bastidores, a avaliação é que o aparecimento dos extratos em nome de Cunha na Suíça abririam uma “dupla frente” de ataques ao peemedebista: a acusação de corrupção (Cunha é investigado na operação Lava Jato) e a de que mentiu aos seu colegas. Na Casa, ele negou ter recursos fora do país.

Se as provas surgirem, os deputados especulam uma saída parecida à que adotou o hoje presidente Renan Calheiros (PMDB-AL), em 2007.

Alvo de acusação de que havia usado recursos de uma empreiteira para pagar despesas pessoais, Renan renunciou à Presidência do Senado para evitar a cassação de seu mandato.

A expectativa é que, se pressionado pelo surgimento de novas provas, Cunha possa adotar o mesmo expediente.

(Folha)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui