08/08/2015

22:41

Por: Alberto Silva

Presidente DILMA marca reunião “URGENTE” para amanha, domingo (9), onde todos os ministros estão convocados

Em meio a uma crise política que atinge o governo, a presidente Dilma Rousseff decidiu antecipar o encontro semanal da coordenação política e convocou os ministros do grupo para uma reunião no próximo domingo (9) no Palácio da Alvorada, em Brasília.
Formada por cerca de dez ministros, entre eles Aloizio Mercadante (Casa Civil), Jaques Wagner (Defesa) e Edinho Silva (Comunicação Social), do PT, Eliseu Padilha (Aviação Civil), do PMDB, e Gilberto Kassab (Cidades), do PSD, a coordenação política se reúne às segundas-feiras para avaliar o cenário político e definir as estratégias que o governo adotará ao longo da semana.

Além de dificuldades na economia, Dilma enfrenta a pior crise política desde o início do primeiro mandato, com setores da oposição defendendo o afastamento da presidente e membros do PSDB pedindo novas eleições. No Congresso, o governo sofre sucessivas derrotas e encontra dificuldades para reunificar a base aliada, que se pulverizou e não é mais garantia para aprovação de matérias na Câmara e no Senado.

A popularidade da presidente também vive o pior momento. Segundo o instituto Datafolha, o governo Dilma tem o maior índice de reprovação (71%) desde a redemocratização do país.

Segundo o Palácio do Planalto, a reunião da coordenação política foi antecipada para domingo porque na segunda-feira (10) a presidente Dilma cumprirá agenda em São Luís (MA), onde entregará unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida e participará da inauguração do Terminal de Grãos do Maranhão.

‘Respeito ao voto’
Dilma participou nesta sexta de cerimônia em Boa Vista (RR) e afirmou que ela é uma pessoa que “aguenta ameaças” e que uma democracia “respeita a eleição direta pelo voto popular“.

“Sou uma pessoa que aguenta ameaças. Sobrevivi a grandes ameaças à minha própria vida. Uma democracia respeita a eleição direta pelo voto popular. Eu respeito a democracia do meu país. Eu honrarei o voto que me deram”, declarou a presidente na ocasião.

Dilma afirmou também que os votos recebidos na eleição do ano passado dão a ela “legitimidade” para governar. A presidente disse respeitar a democracia porque sabe o que é uma ditadura – Dilma foi presa política e vítima de tortura durante o regime militar.

“Eu respeito a democracia do meu país. Eu sei o que é viver numa ditadura. Por isso, eu respeito a democracia e o voto. E podem ter certeza: além de respeitar, eu honrarei o voto que me deram. A primeira característica de quem honra o voto que lhe deram é saber que ele é a fonte da legitimidade e ninguém vai tirar essa legitimidade que o voto me deu”, acrescentou.

Fonte: G1

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

78

Clique aqui