30/08/2015

13:43

Por: Alberto Silva

Paulo Roberto Costa ex-diretor da Petrobras revela medos e pressões que vem sofrendo

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa disse a investigadores da Operação Lava Jato que tem "medo" dos políticos, que a estatal é "uma empresa quebrada" e que a compra de uma refinaria na Argentina no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi "desastrada" como os negócios feitos pelos governos petistas.

As imagens dos depoimentos, que somam 45 horas de vídeos inéditos e estão em poder do Supremo Tribunal Federal, também revelam que um delegado ameaçou manter Costa preso por mais tempo se ele não entregasse gravações que a Polícia Federal achava que ele possuía.

Os vídeos documentam depoimentos prestados por Costa em Curitiba de 29 de agosto a 16 de setembro do ano passado, os primeiros depois que ele fechou acordo de delação premiada. Cópias dos videos estão nos inquéritos abertos pelo STF para investigar políticos suspeitos de envolvimento com a corrupção na Petrobras.

No início, Costa aparece falante, ao lado de sua advogada na época, Beatriz Catta Preta. Ao longo dos dias, começa a mostrar sinais de cansaço e deixa a barba crescer.

É no primeiro dia que ele diz temer por sua integridade física. “Eu tenho medo. Porque nós estamos falando com [de] uma gente muito graúda”, disse. Um delegado afirma que os citados não têm histórico de violência. Costa abre um sorriso e diz “Celso Daniel”, o prefeito petista de Santo André (SP) assassinado no início de 2002.

O delegado pergunta se ele sabia algo sobre o crime. O ex-diretor apenas diz ter ouvido “de muita gente” que “foi o PT que encomendou”.

No mesmo dia, Costa disse que a Petrobras está “tecnicamente quebrada”, pois o governo a obrigou “a participar em 30% do pré-sal em tudo”. A situação teria piorado no governo Dilma Rousseff, pois ela “segurou o preço da gasolina e matou o álcool”.

Para o ex-diretor, Dilma e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, como presidentes do conselho de administração da estatal, atuaram em defesa do governo, e não da empresa. Ele também criticou os representantes do setor privado no conselho, como o empresário Jorge Gerdau.

“Os demais conselheiros da iniciativa privada são omissos, vamos colocar essa palavra, na reunião do conselho. Porque normalmente são empresários e não querem ficar mal com o governo”, afirmou o ex-diretor.

A pressão para que Costa entregasse gravações ocorreu no dia 1º de setembro. O delegado disse que o ex-diretor teria que “ficar mais tempo aí [na prisão] pensando, refletindo onde é que está esse troço”. Costa reagiu: “Não, não me faça isso, pelo amor de Deus”. Costa saiu da cadeia depois dos depoimentos e hoje cumpre prisão domiciliar.

Indagado sobre ativos da Petrobras na Argentina, Costa levantou dúvidas sobre a compra da refinaria Perez Companc por US$ 1,13 bilhão, em 2011, no governo FHC. O presidente da estatal era Philippe Reichstul. Essa compra foi tão desastrada quanto a compra [da refinaria] de Pasadena [EUA]”, afirmou.

OUTRO LADO

O ex-presidente da Petrobras Philippe Reichstul (1999-2001) disse que “deve ter havido um erro” do delator “ou do ano ou do negócio”, pois a venda da refinaria Perez Companc só foi feita em 2002, quando ele, Reichstul, já não presidia mais a companhia.

“Não fechei nem estudei o assunto Perez Companc. Não conheço os detalhes. Estrategicamente, porém, fazia sentido investir mais na Argentina naquele momento”, disse.

O Palácio do Planalto e a Petrobras informaram que não iriam se manifestar sobre os comentários do delator Paulo Roberto Costa.

A assessoria do Grupo Gerdau também não quis comentar as críticas do ex-diretor sobre o papel de Jorge Gerdau no Conselho da Petrobras.

O DELATOR NA TELA
O que Paulo Roberto Costa disse à força tarefa da Lava Jato

29.ago.14
“EU TENHO MEDO”

Costa: Eu tenho um receio. É integridade física minha. […] Porque… Eu tenho medo. Porque nós estamos falando com [de] uma gente muito graúda.
[…]
Delegada: O que te traz mais receio, mais medo, a reação dos políticos ou das construtoras?
Costa: Dos políticos.

Reprodução
Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras

29.ago.14

“MANIA DE FALAR ALTO”

Costa: Ela [Dilma Rousseff] tem mania de falar um pouco alto, né? Então você começa a falar assim e depois o telefone vai assim… [afastando o telefone da orelha]. […] Aí começamos a conversar e aí a mulher chegou e falou assim: “Olha, vocês têm dez minutos para explicar isso aqui”. Dez minutos você não explica nada, né?

Reprodução
Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras

1º.set.14
“A POLÍTICA É PODRE”

Delegado lê anotação de Costa em caderneta: “Acabar com a corrupção é o objetivo supremo de quem ainda não chegou ao poder”.
Costa: Isso aí colocaram na imprensa, né. Não é frase minha, mas é frase verdadeira.
Delegado: É do [jornalista e escritor] Millôr [Fernandes]. Mas o senhor escreveu na cadernetinha do lado dos pagamentos.
Costa: Para mostrar como é podre a política brasileira.

Reprodução
Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras

15.set.14
“MAU NEGÓCIO” NA ERA FHC

Delegado lê anotação de Costa em caderneta: “Acabar com a corrupção é o objetivo supremo de quem ainda não chegou ao poder”.
Costa: A Petrobras comprou uma empresa chamada Perez Companc no ano de 2001, o presidente da Petrobras era o Philippe Reichstul. Eu diria que essa compra foi tão desastrada quanto a compra [da refinaria] de Pasadena [nos EUA].

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui