09/04/2015

14:05

Por: Alberto Silva

Homem solta ratos no plenário e tumultua início do depoimento de Vaccari

Logo após o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, chegar, nesta manhã (9), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, um homem soltou ratos no plenário. O ato causou tumulto e alguns deputados pediram o cancelamento dos trabalhos. O homem foi detido pela Polícia Legislativa e os ratos recolhidos. Vaccari iniciou já iniciou o depoimento com a apresentação de um power point.

O tesoureiro é suspeito de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Delatores da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, afirmaram que Vaccari intermediou doações de propina em contratos com fornecedores da Petrobras. O dinheiro seria usado para financiar campanhas políticas.

Segundo a denúncia apresentada à Justiça Federal pelo Ministério Público Federal, no Paraná, Vaccari participou de reuniões com o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque nas quais eram acertados os valores de propina que seriam transferidos ao PT como doações legais.

O tesoureiro do PT nega as acusações e diz que todas as doações foram feitas de forma legal, registradas no Tribunal Superior Eleitoral.

Logo após o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, chegar, nesta manhã (9), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, um homem soltou ratos no plenário. O ato causou tumulto e alguns deputados pediram o cancelamento dos trabalhos. O homem foi detido pela Polícia Legislativa e os ratos recolhidos. Vaccari iniciou já iniciou o depoimento com a apresentação de um power point.

O tesoureiro é suspeito de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Delatores da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, afirmaram que Vaccari intermediou doações de propina em contratos com fornecedores da Petrobras. O dinheiro seria usado para financiar campanhas políticas.

Segundo a denúncia apresentada à Justiça Federal pelo Ministério Público Federal, no Paraná, Vaccari participou de reuniões com o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque nas quais eram acertados os valores de propina que seriam transferidos ao PT como doações legais.

O tesoureiro do PT nega as acusações e diz que todas as doações foram feitas de forma legal, registradas no Tribunal Superior Eleitoral.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

63

Clique aqui