06/10/2015

13:44

Por: Alberto Silva

Greve dos bancários fecha agências nesta terça-feira em quase todo Brasil.

Canais alternativos ficam disponíveis para várias operações, diz Febraban. Categoria pede 16% de reajuste e melhores condições de trabalho.

Agências bancárias em vários estados do país amanheceram cobertas de cartazes e devem ficar fechadas a partir desta terça-feira (6). Após assembleias realizadas na semana passada, os bancários decidiram entrar em greve por tempo indeterminado, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), os clientes poderão fazer saques, transferências e outras operações por canais alternativos de atendimento, como caixas eletrônicos, internet banking, aplicativos no celular (mobile banking), telefone, além de casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos credenciados.

Os bancários pedem reajuste salarial de 16% com piso de R$ 3.299,66. A Fenaban apresentou uma proposta de reajuste de 5,5%, com piso de R$ 1.321,26 a R$ 2.560,23 (veja mais detalhes sobre as reivindicações e a proposta dos bancos no final da matéria). A proposta foi rejeitada pela categoria nas assembleias da última quinta-feira (1).

Na última sexta-feira (2), o Comando Nacional enviou um oficio à Fenaban, para oficializar a aprovação de greve nacional unificada pela categoria.

Alagoas
A categoria entrou em greve por tempo indeterminado no estado nesta terça-feira. Todas as agências manterão funcionando apenas o autoatendimento, segundo o sindicato local.

Amazonas
De acordo com o Sindicato da categoria (Seebam), a estimativa é que, neste primeiro dia de paralisação, cerca de 1.300 profissionais adiram ao movimento – o que representa 42% dos bancários do estado, que conta com aproximadamente 3.500 bancários.

Bahia
Os bancários da Bahia entram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira, acompanhando o movimento nacional, segundo informações do Sindicato dos Bancários da Bahia. A entidade estima que, além de Salvador, a categoria também adere à greve em Lauro de Freitas, Vitória da Conquista, Barreiras, Irecê, Ilhéus, Itabuna, Jequié, Teixeira de Freitas, Camaçari, entre outras cidades.

Apenas autoatendimento estão funcionando nas agências (Foto: Lucas Leite/G1)
Apenas autoatendimento estão funcionando nas agências (Foto: Lucas Leite/G1)

Goiás
Funcionários de agências bancárias entram em greve a partir desta terça-feira (6) em Goiás. O ato, que é nacional, tem prazo indeterminado. Participam da paralisação bancários da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil e de instituições privadas.

Maranhão
Os bancários do Maranhão aderiram à paralisação nacional, que atinge bancos públicos e privados. A adesão foi tomada em assembleia realizada em 28 de setembro. A categoria deve fazer um ato público no centro da capital nesta terça-feira.

Bancos entram em greve em Campo Grande (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)
Bancos entram em greve em Campo Grande (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)

Mato Grosso do Sul
Agências do estado amanheceram com cartazes informando sobre a greve. A orientação do Sindicato dos Bancários é procurar os terminais de autoatendimento. Conforme a lei, trabalhadores serão mantidos em serviços de compensação.

Pará
Os bancários de Santarém, oeste do Pará decidiram acompanhar a greve nacional da categoria que está prevista para iniciar a partir de 00h de terça-feira (6). Os quase 200 profissionais aderiram ao movimento após assembleia da categoria realizada em Belém no dia 1º de outubro.

Paraíba
Os bancários da Paraíba iniciam greve nesta terça-feira (6). A paralisação atinge tanto bancos públicos quanto privados e, segundo os sindicatos representativos da categoria, cerca de 4,5 mil bancários devem cruzar os braços, mantendo apenas o número mínimo de funcionários exigido por lei.

Sindicato dos Bancários de Curitiba e região faz colagem de adesivos da greve na fachada da agência do Bradesco, em Curitiba (PR), na noite de segunda-feira (5) e madrugada de terça (6), início programado para a greve (Foto: Joka Madruga/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Sindicato dos Bancários de Curitiba faz colagem de adesivos na fachada de agência (Foto: Joka
Madruga/Futura Press/ Estadão Conteúdo)

Paraná
De acordo com o Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região, ao menos onze centros administrativos não abriram nesta manhã. O mesmo deve ocorrer com as agências, em especial, as centrais. A expectativa do sindicato é de que o movimento se espalhe para as agências dos bairros com o passar dos dias.

Pernambuco
Com a greve, todos os serviços internos dos bancos devem ser interrompidos em Pernambuco a partir desta terça. “O autoatendimento vai funcionar normalmente, porque a greve visa a melhoria no atendimento e nós não queremos prejudicar tanto a população”, diz o secretário-administrativo do sindicato estadual, Geraldo Times.

Piauí
Todas as agências bancárias do Piauí estarão em greve, por tempo indeterminado, a partir desta terça-feira (6). Os usuários terão somente os caixas eletrônicos para realizar as transações financeiras.

Rio de Janeiro
De acordo com a Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro dos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo (Fetraf-RJ/ES), a paralisação dos trabalhadores vai atingir agências em todas as regiões do estado fluminense. O Sindicato dos Bancários do município também comunicou adesão à greve em seu site e redes sociais.

Paralisação atinge bancos públicos e privados em todo o Rio Grande do Norte (Foto: Rafael Pereira/G1)
Paralisação atinge bancos públicos e privados em todo o Rio Grande do Norte (Foto: Rafael Pereira/G1)

Rio Grande do Norte
Os bancários do Rio Grande do Norte entraram em greve nesta terça-feira (6) por tempo indeterminado. A paralisação afeta agências privadas e públicas de todo o estado.

Rio Grande do Sul
A greve atinge pelo menos 80% dos sindicatos do estado. Dois municípios definiram greve paralisação parcial: em Rio Pardo, no Vale do Rio Pardo, somente os bancos públicos terão greve. Apenas a Caixa Econômica Federal vai parar em Rosário do Sul, na Região Central.

Santa Catarina
Bancários do estado entraram em greve nesta terça-feira, afetando agências privadas e públicas. Até o fim da semana, deve acontecer na Grande Florianópolis um ato para marcar a greve da categoria, como uma caminhada. A programação deve ser definida nos próximos dias.

São Paulo
Os bancários das 37 cidades da região de Campinas (SP) iniciaram à 0h desta terça-feira (6) uma greve para reivindicar reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Segundo o sindicato da categoria, a paralisação, que ocorre em todo o país, envolve instituições públicas e privadas.

Sergipe
Os servidores de todas as agências bancárias privadas e federais que operam em Sergipe entraram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira (6). Apenas o Banco do Estado de Sergipe (Banese) continua funcionando normalmente no estado.

Veja os sindicatos que aprovaram a greve, segundo a Contraf (sindicatos não afiliados à Contraf também aderiram à paralisação):

ABC (SP)
Acre
Alagoas
Alegrete (RS)
Amapá
Angra dos Reis (RJ)
Apucarana (PR)
Arapoti (PR)
Araraquara(SP)
Assis (SP)
Bagé (RS)
Baixada Fluminense (RJ)
Barra do Garças (MT)
Barretos (SP)
Belo Horizonte (MG)
Blumenau (SC)
Bragança Paulista (SP)
Brasília (DF)
Camaquã (RS)
Campina Grande (PB)
Campinas (SP)
Campo Grande (MS)
Campo Mourão (PR)
Campos dos Goytacazes (RJ)
Carazinho (RS)
Cariri (CE)
Cataguases (MG)
Catanduva (SP)
Caxias do Sul (RS)
Ceará
Concórdia e Região (SC)
Cornélio Procópio (PR)
Criciúma (SC)
Cruz Alta (RS)
Curitiba (PR)
Divinópolis (MG)
Dourados (MS)
Espírito Santo (RJ)
Extremo Sul da Bahia
FETEC PR
Florianópolis (SC)
Governador Valadares (MG)
Guarapuava (PR)
Guarulhos (SP)
Horizontina (RS)
Ipatinga (MG)
Itaperuna (SP)
Jacobina (BA)
Joaçaba (SP)
Juiz de Fora (MG)
Jundiaí (SP)
Limeira (SP)
Litoral Norte (RS)
Londrina (PR)
Macaé (RJ)
Mato Grosso
Mogi das Cruzes (SP)
Naviraí (SP)
Niterói (RJ)
Nova Friburgo (RJ)
Novo Hamburgo (RS)
Pará
Paraíba
Paranavaí (PR)
Passo Fundo (RS)
Patos de Minas (MG)
Pelotas (RS)
Pernambuco
Petrópolis (RJ)
Piauí
Piracicaba (SP)
Porto Alegre (RS)
Presidente Prudente (SP)
Ribeirão Preto (SP)
Rio de Janeiro (RJ)
Rio do Sul (SC)
Rio Grande (RS)
Rondônia
Rondonópolis (MT)
Roraima
Santa Cruz do Sul (RS)
Santa Maria (RS)
Santa Rosa (RS)
Santo Ângelo (RS)
Santos (SP)
São Borja (RS)
São Miguel do Oeste (SC)
São Paulo (SP)
Sul Fluminense (RJ)
Taubaté (SP)
Teófilo Otoni (MG)
Teresópolis (RJ)
Toledo (PR)
Três Rios (RJ)
Uberaba (MG)
Umuarama (PR)
Vale do Ararangua (SC)
Vale do Caí (RS)
Vale do Ribeira (SP)
Vale Paranhana (RS)
Videira (SC)

O que pede a categoria e o que oferecem os bancos
Os bancários querem reajuste salarial de 16%, com piso de R$ 3.299,66, e Participação nos Lucros e Resultado (PLR) de três salários mais R$ 7.246,82. A categoria também reivindica vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá de R$ 788 cada. A categoria também pede pagamento para graduação e pós, além de melhorias nas condições de trabalho e segurança.

A proposta apresentada pela Febraban, rejeitada em assembleias, oferece reajuste salarial de 5,5%, com piso entre R$ 1.321,26 e R$ 2.560,23. A Federação propôs ainda PLR pela regra de 90% do salário mais R$ 1.939,08, limitado a R$ 10.402,22 e parcela adicional (2,2% do lucro líquido dividido linearmente para todos, limitado a R$ 3.878,16).

Foram também propostos os seguintes benefícios: auxílio-refeição de R$ 27,43, auxílio-cesta alimentação e 13ª cesta de R$ 454,87,auxílio-creche/babá de R$ 323,84 a R$ 378,56, gratificação de compensador de cheques de R$ 147,11, qualificação profissional de R$ 1.294,49, entre outros.

Greves em 2013 e em 2014
No ano passado, os bancários fizeram uma greve entre 30 de setembro e 06 de outubro. Os trabalhadores pediam em reivindicação inicial reajuste salarial de 12,5%, além de piso salarial de R$ 2.979,25, PLR de três salários mais parcela adicional de R$ 6.247 e 14º salário. A categoria também pedia aumento nos valores de benefícios como vale-refeição, auxílio-creche, gratificação de caixa, entre outros. A greve foi encerrada após proposta da Fenaban de reajuste de 8,5% nos salários e demais verbas salariais, de 9% nos pisos e 12,2% no vale-refeição.

Em 2013, os trabalhadores do setor promoveram uma greve de 23 dias, que foi encerrada após os bancos oferecerem reajuste de 8%, com ganho real de 1,82%. A duração da greve na época fez a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) pedir um acordo para o fim da paralisação, temendo perdas de até 30% nas vendas do varejo do início de outubro.

(Via G1)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

103

Clique aqui