19/10/2015

10:39

Por: Alberto Silva

Fábricas retiram descontos e preços de remédios sobem mais ainda este ano

A inflação terá uma pressão a mais neste final de ano com a inesperada subida dos preços dos remédios para o consumidor.

Os reajustes no setor costumam se concentrar em abril, logo depois que o governo federal libera os aumentos, mas a alta chegará antes, segundo a indústria farmacêutica, devido à pressão de custos, como energia e água, e à valorização do dólar, que encareceu a matéria-prima importada.

À Folha, diretores de indústrias brasileiras e multinacionais admitiram que já cortaram o desconto oferecido a distribuidores e varejistas.

“Nos próximos 60 dias você vai ver que os descontos na porta da farmácia devem desaparecer. A conta vai para o bolso do contribuinte”, afirma Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma, sindicato que reúne as principais farmacêuticas do país.

Variações acumuladas no ano para produtos farmacêuticos no IPCA, em %

Isso ocorre porque a concorrência entre empresas sempre estimulou a prática de descontos. Com a crise, porém, esse é um procedimento que está ficando para trás.

Pedro Bernardo, diretor da Interfarma, associação que reúne multinacionais, afirma que quase 90% dos princípios ativos usados nos remédios são importados.

“Quando o câmbio era favorável, a indústria adotava uma política agressiva de descontos porque a competição era muito forte. Enquanto o câmbio estiver neste patamar alto, é legítimo que a indústria vá ao distribuidor negociar e reduzir esse desconto.”

E o varejo não vai absorver esse aumento. “Isso será repassado para o preço. A farmácia não tem muita margem de manobra”, diz Sergio Mena Barreto, presidente da Abrafarma, associação que reúne grandes redes.

GENÉRICOS

O espaço para elevar preços é ainda maior entre os genéricos. Por lei, esse produto é obrigatoriamente 35% mais barato do que seu medicamento de referência. Na prática, porém, custa em média 50% menos. Alguns são até 85% mais baratos.

“A mobilidade e a força do desconto tendem a diminuir”, diz Telma Salles, presidente da Pró-Genéricos.

A inflação medida pelo IPCA de janeiro a setembro chegou a 6,44% para os medicamentos, bem superior ao registrado em todo o ano passado (4,93%).

As categorias que mais sofrem a alta neste ano são gastroprotetores (9,14%) e psicotrópicos (8,13%), ambos acima do índice geral da inflação (7,64%).

Eulina Nunes, coordenadora de índice de preços do IBGE, lembra que houve alta de 3,3% em abril e um pouco mais em maio, junho e julho.

Em agosto, com as vendas em baixa, a indústria apostou nos descontos e os preços recuaram 0,11%, voltando a subir em setembro.

Ainda assim, o reajuste de até 7,7% –que varia de acordo com a categoria– autorizado em março não foi totalmente repassado para o consumidor.

Variações mensais nos preços dos remédios em 2015 – Em %

(Via Folha e Agência)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui