25/08/2015

12:36

Por: Alberto Silva

Crise politica e mundial pode levar o Brasil a uma recessão o que seria um caos, veja aqui.

Em mais um dia de fortes turbulências na China, o Palácio do Planalto considerou preocupantes os efeitos da piora do cenário externo sobre o Brasil porque vão dificultar ainda mais a recuperação da economia brasileira neste ano e no próximo.

O receio da equipe presidencial é que uma desaceleração chinesa acentue a retração da economia brasileira em 2015 e gere risco real de o país continuar em recessão em 2016, algo que o governo vinha descartando.

A instabilidade na China, que fez o dólar atingir seu maior valor de fechamento desde março de 2003 e provocou uma queda de 3% na Bolsa, foi um dos temas da reunião da presidente Dilma Rousseff com sua equipe nesta segunda (24) no Planalto.

Diante da queda no consumo interno e do aumento do desemprego, o governo apostava no setor exportador, com a alta do dólar, para começar uma recuperação da economia brasileira no final deste segundo semestre.

Agora, uma maior desaceleração da China terá impacto negativo no comércio mundial, podendo frustrar as expectativas de fazer das exportações o novo carro-chefe da economia nacional.

Dentro do governo e entre analistas de mercado, já se fala na possibilidade de os chineses crescerem menos de 6% em 2015, jogando para baixo não só o crescimento mundial mas afetando o brasileiro.

SEM MARGEM DE MANOBRA

Segundo assessores presidenciais, a crise chinesa neste momento gera preocupação extra porque pega o Brasil sem margem de manobra para forçar uma recuperação da economia por meio de estímulos ao consumo ou injeção de recursos públicos.

A realidade do Planalto, hoje, é seguir fazendo um forte ajuste fiscal para equilibrar o Orçamento de 2016 e ainda conviver com juros altos para garantir a queda da inflação.

Nesta segunda, além das turbulências chinesas, o governo foi obrigado a lidar com rumores de que o ministro Joaquim Levy (Fazenda) poderia deixar o posto por causa de desentendimentos dele com a equipe do vice-presidente Michel Temer.

Logo cedo assessores presidenciais deixaram claro que Levy não sairia do governo e que sua viagem para Washington foi autorizada por Dilma. Mais tarde, a própria presidente negou a possibilidade de saída de Levy.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

62

Clique aqui