13/05/2016

21:49

Por: Alberto Silva

Confusões e invasões de cerimônia de TEMER que a imprensa não mostrou, veja…

A segunda mostra de o dia reservava "emoções" chegou quando foi divulgado o local onde o evento seria realizado.

Calor, confusão e até uma tentativa de invasão. Teve tudo isso na primeira cerimônia realizada por Michel Temer (PMDB) na condição de presidente interino nesta quinta-feira (12). Conhecido pelo estilo discreto e comedido, Temer deu posse aos seus ministros em um evento marcado pelo improviso.

A primeira mostra de que a cerimônia seria confusa foi a constante troca de horários do evento. Ao longo do dia, as informações foram desencontradas. Primeiro, a cerimônia estava prevista para começar às 15h. Depois, informações correram dando conta de que ela seria às 16h. Acabou começando pouco depois das 17h.

A segunda mostra de o dia reservava “emoções” chegou quando foi divulgado o local onde o evento seria realizado. Em vez do Salão Nobre do Palácio do Planalto, com capacidade para pelo menos 400 pessoas e bem arejado, foi escolhido o Salão Leste, menor, mais abafado e com capacidade para pouco mais de 200 pessoas. Não havia lugar para as mais de 200 pessoas presentes (sem contar a imprensa). Senadores como Aécio Neves (PSDB-MG) e Simone Tebet (PMDB-MS) tiveram de ficar de pé durante a cerimônia praticamente toda.

Outros integrantes da "tropa" de Cunha eram Carlos Marum (PMDB-MS) e Tia Eron (PRB-BA). Mais cedo, Cunha, que não apareceu na cerimônia, comemorou o afastamento de Dilma no twitter. "Antes tarde do que nunca", postou Cunha ironizando a declaração idêntica dada por Dilma quando ele foi afastado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Tropa de choque de Cunha marca presença
Entre os convidados, um grupo em particular se destacava: o dos integrantes da “tropa de choque” do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Entre eles estavam Manoel Júnior (PMDB-PB) – que tirou diversas selfies ao lado do deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que também estava animado, afinal, seu irmão, Geddel Vieira Lima (PMDB) foi nomeado ministro-chefe da Secretaria de Governo de Temer.

Outros integrantes da “tropa” de Cunha eram Carlos Marum (PMDB-MS) e Tia Eron (PRB-BA). Mais cedo, Cunha, que não apareceu na cerimônia, comemorou o afastamento de Dilma no twitter. “Antes tarde do que nunca”, postou Cunha ironizando a declaração idêntica dada por Dilma quando ele foi afastado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Pouco antes das 17h, o salão estava lotado e a aglomeração somada ao calor gerado pelos holofotes das equipes de televisão dava a impressão de que o sistema de ar condicionado do local não estava funcionando. De repente, no canto esquerdo do salão, um grupo começa a bater palmas. “Aêêêêê!!!”. Foi a forma como os convidados agradeceram ao cidadão que abriu uma das janelas do salão e amainou o calor.

Minutos antes da chegada de Temer, a preocupação de cinegrafistas e fotógrafos era um conjunto de peças de acrílico utilizada como teleprompter (aparelho para leitura de textos) que foi colocado em frente ao púlpito onde o presidente interino fez seu discurso. Os profissionais gritavam desesperados alegando que o equipamento iria atrapalhar a tomada de fotos. A angústia foi tanta que um grupo iniciou um coro recheado de ironia: “não vai ter foto”.

Era uma clara alusão ao coro “não vai ter golpe”, entoado pelos manifestantes e políticos contrários ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Os políticos presentes, na maioria integrantes do grupo que fez oposição a Dilma, começaram a aplaudir. A animação mudou quando os fotógrafos resolveram elogiar um funcionário do Planalto que tentou, em vão, organizar o “exército” de políticos que teimavam e atrapalhar as fotos. “Gilmar, Gilmar, Gilmar”, gritavam os fotógrafos, mas os presentes entenderam “Dilma, Dilma, Dilma”. Foi o suficiente para que os políticos e convidados iniciassem uma vaia.

Temer arrancou aplausos em diversos momentos de seu discurso, entre eles quando disse que manteria programas sociais como Bolsa Família e Pronatec e quando declarou apoio à Operação Lava Jato. Mas talvez os aplausos mais insólitos (e talvez injustificáveis) aconteceram quando o presidente engasgou durante o discurso. Ele tentou prosseguir, mas a voz parecia não ajudar. Calmo, Temer tomou um gole de água, mas a voz teimava em não voltar. Então, um dos convidados se levantou e entregou uma caixa de balas do tipo “tic-tac” ao presidente. Enquanto se recuperava, a plateia irrompeu em aplausos.

Certamente pela confusão e pelo barulho, poucos convidados chegaram a perceber que um grupo de militantes contrários ao impeachment de Dilma tentou invadir o Palácio do Planalto, mas seguranças impediram. O grupo, aliás, composto por pouco mais de 10 pessoas, era um dos únicos que estava em frente ao Palácio do Planalto no momento em que Temer assumiu o poder. Do lado de dentro do Palácio do Planalto, centenas de pessoas e políticos assistiam à cerimônia de posse do novo governo enquanto a Praça dos Três Poderes e Esplanada dos Ministérios continuavam vazias, sem manifestantes.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui