22/01/2016

14:08

Por: Alberto Silva

Bombástico – Polícia investiga participação de filhos em triplo assassinato no Pará

O casal Luís Alves Pereira, a mulher Irma Buchinger Alves (no centro) e o filho mais velho Ambrósio Buchinger Neto (à esquerda) foram assassinados no dia 6 de janeiro. A polícia investiga a participação dos outros dois filhos nos crimes

A polícia do Pará prendeu o filho de um casal que foi morto no dia 6 de janeiro em Altamira, no sudoeste do Estado, por suspeita de participação no crime. Além dele, mais três pessoas estão presas acusadas de participarem do triplo assassinato que matou o casal Luís Alves Pereira, a mulher Irma Buchinger Alves e o filho mais velho Ambrósio Buchinger Neto, 27.

Henrique Buchinger Alves, 25, filho do casal, é acusado de ser o mandante do crime. A Polícia Civil do Pará investiga ainda se a filha do casal, Chiara Buchinger Alves, 23, teve participação nas mortes.

Questionada sobre o porquê de o filho ser suspeito de ser o mandante das mortes, a polícia disse que as investigações são sigilosas, mas que “nenhuma hipótese está descartada”.

Quatro homens supostamente armados invadiram a casa da família. Henrique e Chiara teriam sido trancados em um banheiro durante os assassinatos dos pais e do irmão. Eles saíram ilesos ao pularem pela janela do banheiro e chamarem a polícia.

De acordo com a investigação, o casal e o filho foram assassinados por asfixia enquanto dormiam. Os três estavam com cadarços amarrados no pescoço e fita adesiva na boca.

Alves está detido desde o dia 19 na carceragem da Deic (Delegacia de Investigação Criminal), em Goiânia (GO), e deverá ser encaminhado nos próximos dias para uma unidade do sistema prisional do Pará. Henrique e Chiara viajaram de Altamira para Goiânia no último sábado (16).

Foram presos também Mateus de Oliveira Costa e Francisco Denis Leite, em Altamira, e Agnaldo Soares, em Itaituba (PA). O trio é acusado de participar ativamente nos assassinatos. Os três teriam confessado o crime, segundo informou a polícia. Eles estão detidos no presídio regional em Altamira à disposição da Justiça.

O casal era proprietário de uma loja de roupas em Altamira, que ficava no mesmo prédio em que a família morava. Inicialmente, Henrique e Chiara contaram que a família ficou refém dos criminosos, que queriam dinheiro e joias, porém nada foi roubado.

No dia seguinte ao assassinato dos pais, Henrique e Chiara postaram mensagens em seus perfis no Facebook relatando que estavam consternados com as mortes. “A dor é imensurável, a ferida nunca irá sarar ou cicatrizar. Peço a Deus que me dê o poder do perdão, da força e do seu amor divino. Pois só Ele irá consolar-nos nesse recomeço. Altamira me deu a vida, e acabou de me tirar a mesma”, escreveu a jovem. O perfil de Henrique no Facebook foi excluído.

O UOL entrou em contato com Henrique Buchinger Alves, por meio da carceragem da Deic, e ele informou que a advogada Cássia Franzoi era a responsável pela sua defesa. Porém, em contato com a advogada nesta quinta-feira (21), ela informou que não foi contratada pelo acusado. A carceragem da Deic de Goiânia informou que Alves não conversou nada sobre o assunto desde que foi preso e detido no local. Ele ainda não recebeu visitas de familiares.

A reportagem tentou contato com Chiara Alves, nesta quinta-feira, mas ela não retornou até a publicação deste texto.

(Via agência)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

    Sorry. No data so far.

57

Clique aqui