18/10/2016

09:16

Por: Nathalia Benjamim

Veja como o lixo que produzimos chega ao ‘lugar mais isolado da Terra’

Se você um dia já pensou em dar um tempo em algum lugar remoto, longe de tudo, provavelmente ficou surpreso com o fato de que existem poucas alternativas.

O ponto mais distante da terra firme, por exemplo, é conhecido como “polo oceânico de inacessibilidade”. Fica a 1,6 mil km equidistantes das costas de três ilhas já bem isoladas: a ilha Ducie (um atol que integra as ilhas Pitcairn), ao norte; Motu Nui (posse chilena perto da Ilha de Páscoa), a nordeste; e a ilha de Maher (na costa da Antártida), ao sul.

Como o nome parece pomposo demais, o lugar recebeu o apelido de “Ponto Nemo”, em homenagem ao famoso anti-herói dos romances de Júlio Verne, o Capitão Nemo. O nome significa “ninguém” em latim, o que cai bem para um local raramente visitado por humanos.

Trata-se de um lugar peculiar: o Ponto Nemo é tão distante da terra firme que os seres humanos mais próximos dali são, em geral, os astronautas. A Estação Espacial Internacional percorre a órbita terrestre a uma distância máxima de 416 km do nível do mar. Já o pedaço de terra habitado mais próximo de Nemo fica a 2,7 mil quilômetros dali.

Isso ocorre porque o ponto fica dentro do giro do Pacífico Sul, uma enorme corrente oceânica rotatória que é limitada pela Austrália e pela América do Sul, pela linha do Equador e pela forte corrente circumpolar antártica.

Cemitério espacial

estacao-espacial-mir

Por causa disso, toda a região em torno do lugar é bastante conhecida dos astrônomos. As agências espaciais da Europa, da Rússia e do Japão o utilizam há muitos anos como “lixão” porque é o ponto do planeta com menos habitantes humanos e uma das rotas de navegação mais tranquilas.

Cientistas acreditam que mais de cem naves e equipamentos espaciais descontinuados agora ocupem esse “cemitério”, de satélites expirados à falecida estação espacial Mir.

Segundo a arqueóloga espacial Alice Gorman, da Universidade Flinders, na Austrália, esses destroços estão em pedaços e espalhados pelo leito do oceano.

“Naves espaciais não sobrevivem inteiras à reentrada na atmosfera”, afirma. “A maioria se incendia por causa do intenso calor. Os componentes que resistem melhor são tanques de combustível e veículos de pressão, geralmente feitos de liga de titânio ou fibra de carbono.”

Enquanto os fragmentos menores da Mir acabaram pegando fogo, as partes maiores teriam sido levadas pelas correntes marítimas até as praias das ilhas Fiji, enquanto o resto da nave de 143 toneladas afundou.

“Assim como navios naufragados, esses destroços criam habitats que acabam sendo colonizados por seres que vivem naquela profundidade”, diz ela. “A menos que haja vazamento de combustível residual, não há riscos para a vida marinha”.

Habitat extremo

peixe-histrio

E quem é que realmente vive no Ponto Nemo?

Segundo o oceanógrafo Steven D’Hondt, da Universidade de Rhode Island (EUA), provavelmente não muitos seres.

Isso ocorre porque o ponto fica dentro do giro do Pacífico Sul, uma enorme corrente oceânica rotatória que é limitada pela Austrália e pela América do Sul, pela linha do Equador e pela forte corrente circumpolar antártica.

As águas do giro são estáveis, com uma temperatura de 5,8ºC na superfície, segundo dados coletados pela Nasa (agência espacial americana). A corrente rotatória impede a entrada de águas mais quentes e ricas em nutrientes.

Além disso, como a região é tão isolada da terra firme, o vento não leva muita matéria orgânica até lá. Por isso, há pouco alimento disponível. O leito também é praticamente desabitado. “Trata-se da região menos biologicamente ativa de todos os oceanos do mundo”, afirma D’Hondt.

Por que resolvemos enfrentar a montanha que matou nossa mãe
Mas algumas criaturas peculiares conseguem sobreviver em pontos da região.

O Ponto Nemo fica próximo ao extremo sul de uma linha submarina de atividade vulcânica que marca a fronteira entre as placas tectônicas do Pacífico e de Nazca. Uma boa quantidade de magma se instala nas fissuras e cria sistemas de ventilação hidrotermal que expelem água quente e minerais.

Trata-se de um ambiente de condições extremas, mas propício à proliferação de bactérias. Estas, por sua vez, sustentam criaturas maiores como o caranguejo-yeti (Kiwa hirsuta), observado pela primeira vez em 2005.

‘Lixão’ da humanidade
Infelizmente, o que mais parece estar se acumulando por ali é lixo. Estudo publicado em 2013 confirmou a presença de uma faixa de lixo dentro do Giro do Pacífico Sul. O maior acúmulo ocorre no centro, a 2,5 mil km do Ponto Nemo.

Os resíduos são essencialmente de plásticos carregados das áreas costeiras e de navios. A corrente rotatória acaba aprisionando o lixo e fragmentando tudo em pequenos pedaços.

Especialistas há muito discutem o desafio geográfico de encontrar o “meio” do oceano. Mas com novas tecnologias, eles conseguiram solucionar o problema. O polo oceânico de inacessibilidade foi descoberto oficialmente em 1992 pelo engenheiro de campo Hrvoje Lukatela, com o uso de um software especializado, que leva em conta o formato elíptico do planeta para ter precisão máxima.

É pouco provável que o ponto mude de lugar no futuro próximo.

“A localização equidistante de três pontos é algo bastante singular, e não há outros pontos na superfície da Terra que possam, em princípio, substituir o Ponto Nemo”, explica Lukatela. É possível que novas ferramentas de medição – ou até a erosão costeira – acabe modificando ligeiramente a exata posição do local, “por uma questão de metros”.

(Via Agencia)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

92