25/04/2016

12:29

Por: Alberto Silva

Todos estão deixando o PT – onda de deserções e partido perde 1 de cada 5 prefeitos

Em São Paulo, 35 dos 73 prefeitos eleitos migraram. No Paraná, foram 18 baixas entre 40 gestores. No Rio de Janeiro, mantiveram-se fiéis ao PT só quatro dos 11 prefeitos eleitos há quatro anos. Em Mato Grosso do Sul, oito dos 13 prefeitos saíram da legenda.

O prefeito ou vereador pode ser o melhor do mundo, mas, ele carrega na sua bandeira uma estrela vermelha. Aos olhos da população esse membro por PT faz parte da maior quadrilha orquestrada de corrupção no Brasil. E não adianta relutar, a marca de roubos e mais roubos marcaram o PT. A saída, principalmente daquele que irão disputar a reeleição é abandonar o partido, imediatamente. A janela de filiação partidária aberta no mês de março e a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) impulsionaram o movimento de debandada de prefeitos petistas para outros partidos políticos. A seis meses das eleições municipais, levantamento feito pelo jornal “Folha de S.Paulo” no sistema de filiação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aponta que, de cada cinco prefeitos do PT eleitos em 2012, um deixou o partido. Os dados mostram filiações e desligamentos concluídos até 15 de abril.

Ainda de acordo com a publicação, ao todo, 135 dos 638 prefeitos eleitos pelo PT pediram desfiliação ou foram expulsos do partido. Essa conta inclui gestores que renunciaram ou foram cassados. O maior desgaste da legenda está concentrado em São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro, governados pelo PSDB e pelo PMDB, mas o movimento também atingiu Estados comandados por petistas, como a Bahia e Minas Gerais.

Em São Paulo, 35 dos 73 prefeitos eleitos migraram. No Paraná, foram 18 baixas entre 40 gestores. No Rio de Janeiro, mantiveram-se fiéis ao PT só quatro dos 11 prefeitos eleitos há quatro anos. Em Mato Grosso do Sul, oito dos 13 prefeitos saíram da legenda. Está nesse grupo Paulo Duarte, gestor de Corumbá, município com mais de 100 mil habitantes. A maior parte das desfiliações ocorreu neste ano, após a prisão do senador Delcídio do Amaral, tido até então como a estrela do partido no Estado.

A saída, principalmente daquele que irão disputar a reeleição é abandonar o partido, imediatamente. A janela de filiação partidária aberta no mês de março e a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) impulsionaram o movimento de debandada de prefeitos petistas para outros partidos políticos.

Lula conseguiu, junto com Dilma e da sua trupe que hoje está na cadeia ou investigado sujar a sua bandeira de vermelho, o vermelho citado aqui é de sangue de milhares de pessoas que estão passando fome, de milhares de pessoas que estão morrendo nas filas dos hospitais. O Vermelho do PT hoje tem sinônimo de sangue.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

105