04/10/2016

08:41

Por: Alberto Silva

Sindicato do Crime (PT) é invadido pela PF, agência de propaganda também é alvo…

A PF não divulgou o nome da empreiteira citada nesta ação, mas a operação Acrônimo, que deu origem ao trabalho deflagrado nesta terça, teve como alvo a Odebrecht.

Policiais federais realizam buscas na sede do PT, em Salvador, na manhã desta terça-feira, 4. A ação faz parte da Operação Hidra de Lerna, que investiga um grupo criminoso responsável por suposto financiamento ilegal de campanhas políticas na Bahia. Os investigados também são acusados de envolvimento em fraude em licitações e contratos no Ministério das Cidades.

São cumpridos 16 mandados de busca e apreensão. Além do prédio do PT, os policiais federais também estão na sede da Propeg, na ladeira da Barra. Os agentes ainda estiveram no prédio onde mora o ex-ministro das Cidades, Mário Negromonte, no Itaigara.

Os mandados foram deferidos pela ministra Maria Thereza Rocha de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça. Segundo a PF, os investigados têm foro privilegiado. Contudo, os nomes não foram divulgados.propeg-agencia-pf-invade

São cumpridos 16 mandados de busca e apreensão. Além do prédio do PT, os policiais federais também estão na sede da Propeg, na ladeira da Barra. Os agentes ainda estiveram no prédio onde mora o ex-ministro das Cidades, Mário Negromonte, no Itaigara.

De acordo com a PF, essa ação deriva da colaboração de três investigados na Operação Acrônimo, deflagrada em setembro. A suspeita é que o grupo realizava triangulações para financiar ilegalmente campanhas eleitorais.

Para isso, uma empreiteira investigada contratava de maneira fictícia empresas de comunicação especializadas em campanhas políticas, mas o serviço pago era oferecido para o partido, ao invés da construtora.

A PF não divulgou o nome da empreiteira citada nesta ação, mas a operação Acrônimo, que deu origem ao trabalho deflagrado nesta terça, teve como alvo a Odebrecht.

O nome Hidra de Lerna faz referência à figura da mitologia que, ao ter a cabeça cortada, ressurge com duas cabeças. A PF explica que, ao chegar em um dos líderes da organização criminosa na Operação Acrônimo, acabou desdobrando em outra investigação, que exige a abertura de dois novos inquéritos.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

91