27/04/2016

23:52

Por: Alberto Silva

Rio tem quase 50 mil casos de dengue; pico da transmissão passou

Por Estadão Conteúdo - Chieppe lembrou que os dois casos de mortes por chikungunya foram ocorrências isoladas. Um caso foi o de uma paciente que teve quadro de encefalite (infecção do cérebro provocada por vírus), um "quadro raríssimo"


Warning: file_get_contents(https://free.sharedcount.com/?url=https%3A%2F%2Fpensabrasil.com%2Frio-tem-quase-50-mil-casos-de-dengue-pico-da-transmissao-passou%2F&apikey=a2ad8859171bb2d2344e31170cd248e9846315ac): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 401 Unauthorized in /home/pensabrasil/www/wp-content/themes/pensabrasilportal/inc/share-bar.php on line 10

Quase 50 mil pessoas tiveram dengue no Rio, este ano. Até 23 de abril, foram notificados 49.150 casos da doença e quatro mortes. No mesmo período de 2015, houve 28.606 registros. Apesar do número elevado de casos, o boletim da Secretaria de Estado de Saúde aponta que tem havido uma redução de novos registros da doença, desde a primeira semana de março. A média de novas notificações passou de 3.500 semanais para pouco mais de mil por semana.

Nesse período, também houve o registro de 37.392 casos de zika e de 2.050 casos de chikungunya. Destes, 887 confirmados. Duas pessoas morreram por complicações em decorrência da chikungunya. A transmissão de zika também caiu a partir do início de março, de cerca de 2.500 casos por semana para menos de 500.

“Pode-se dizer que houve o fim do pico de transmissão de dengue. Historicamente o auge da transmissão é no fim de março até a primeira quinzena de abril. Mas temos tido redução de novos casos desde março. Certamente não teremos novo pico da doença”, afirmou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.

Temos três vírus circulando e o mosquito se infecta mal por mais de um vírus. Chikungunya ainda circula em patamar baixo, mas zika e dengue vieram com muita intensidade. Essa competição pode ter contribuído para o declínio da transmissão

Essa redução de casos antes do tempo tem duas explicações, afirma Chieppe. A primeira é que houve melhor controle do mosquito. O índice de infestação caiu com as visitas domiciliares. A outra causa é a competição entre os vírus para infectar o Aedes aegypti. “Temos três vírus circulando e o mosquito se infecta mal por mais de um vírus. Chikungunya ainda circula em patamar baixo, mas zika e dengue vieram com muita intensidade. Essa competição pode ter contribuído para o declínio da transmissão”, afirmou.

Chieppe lembrou que os dois casos de mortes por chikungunya foram ocorrências isoladas. Um caso foi o de uma paciente que teve quadro de encefalite (infecção do cérebro provocada por vírus), um “quadro raríssimo”, nas palavras do subsecretário. A segunda vítima era um homem idoso, com outras enfermidades, e que teve uma “descompensação” por causa da chikungunya.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

100