02/05/2016

15:19

Por: Alberto Silva

Região metropolitana de BH sofre maior tremor de terra já registrado no país

As medições são feitas desde 1992. Inicialmente, foi divulgado que o abalo teria chegado a 4,2 graus na escala Richter

O Observatório de Sismologia da UnB (Universidade de Brasília) registrou, às 6h21 desta segunda-feira (2), um tremor de terra de 3,7 graus na Grande Belo Horizonte, o maior já medido pelo órgão no país.

As medições são feitas desde 1992. Inicialmente, foi divulgado que o abalo teria chegado a 4,2 graus na escala Richter, mas a informação foi corrigida pouco depois.
Apesar dos tremores, o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais afirma que não houve ocorrências.

Segundo a UnB, o epicentro do abalo sísmico aconteceu próximo a Esmeraldas, a 45 km da capital mineira, e foi sentido por pelo 14 cidades, incluindo a capital.
Em Esmeraldas, o despachante Marcone Silva, 60, diz que viu as janelas e paredes de casa estremecendo por volta das 6h20. “Eu fiquei com medo, mas ia fazer o quê? Fiquei esperando para ver no que dava”, afirma. Segundo ele, o tremor “passou rápido, foi vapt-vupt”.

Foi possível, segundo Sand, sentir o tremor em Esmeraldas e no norte de Betim, também na região metropolitana de Belo Horizonte. Não é capaz de causar feridos e machucados, mas assusta.

Sua irmã, Aione Mara Silva, 49, que mora na vizinha Contagem, também sentiu o abalo. De acordo com ela, houve um barulho alto e uma sensação de que dois veículos haviam se chocado na rua.
Segundo George Sand, professor associado do observatório, “foi um tremor razoável, capaz de causar um pouco de temor maior entre a população. Muito provavelmente, a causa é natural, causa geológica mesmo”.

Foi possível, segundo Sand, sentir o tremor em Esmeraldas e no norte de Betim, também na região metropolitana de Belo Horizonte. Não é capaz de causar feridos e machucados, mas assusta.

Abalos sísmicos não são incomuns em Minas Gerais. No último dia 4, houve um de 3,5 graus em Funilândia (a 80 km de BH), de acordo com a UnB. Próxima, Sete Lagoas também registrou tremor igual em março.
No dia 5 de novembro, quando a barragem de Mariana se rompeu, houve pequenos tremores, de 2 a 2,6 graus segundo a USP, nas proximidades.

FOLHAPRESS

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

105