15/09/2016

08:07

Por: Alberto Silva

PT declara guerra as redes sociais e nas ruas, vão falar em ‘golpe continuado’ contra Lula

Casa cheia Grupos do partido convocaram militantes para comparecer à entrevista do ex-presidente durante a reunião da direção petista. A ideia é reproduzir o clima de sua fala no dia em que houve a condução coercitiva.

Tudo ou nada O PT promete contra-atacar a denúncia do Ministério Público sobre Lula. A tática é subir o tom e dizer que está em curso um “golpe continuado” para impedi-lo de voltar à Presidência em 2018. A sigla quer intensificar a campanha internacional iniciada no impeachment. Para braços da Lava Jato, a apresentação da denúncia tal como foi feita pode ter “carregado na tinta” para além do tríplex, o que acentuará reações. Tucanos concordam e temem risco de vitimização do ex-presidente.

Significa? O PSDB preferiu ser econômico na nota divulgada após a apresentação do Ministério Público. Sequer cita Lula. “O problema dele é com o Moro, não com o Aécio”, sustenta um tucano.

Casa cheia Grupos do partido convocaram militantes para comparecer à entrevista do ex-presidente durante a reunião da direção petista. A ideia é reproduzir o clima de sua fala no dia em que houve a condução coercitiva.

Alistamento O PT quer que a defesa do ex-presidente entre na agenda dos movimentos sociais, de todas as instâncias partidárias e das bancadas no Congresso. Reclama que somente o presidente da legenda, Rui Falcão, tem feito o “enfrentamento

Cicatriz Apesar de pintados para a guerra, é ponto quase unânime que a denúncia já causou um dano sem precedentes à imagem de Lula.

Alistamento O PT quer que a defesa do ex-presidente entre na agenda dos movimentos sociais, de todas as instâncias partidárias e das bancadas no Congresso. Reclama que somente o presidente da legenda, Rui Falcão, tem feito o “enfrentamento”.

Última chance Para o partido, o contra-ataque é necessário para evitar o próximo passo: a eventual prisão de Lula. “Ou reagimos agora ou adeus”, diz um dirigente.

Régua eleitoral Aliados de Fernando Haddad (PT) em SP medem possíveis impactos da ação contra o ex-presidente pela Lava Jato.

Vem comigo? Mesmo diante do racha tucano, a campanha de João Doria (PSDB-SP) ainda espera ter Fernando Henrique Cardoso nos programas eleitorais.

Café e leite A menos de vinte dias da eleição, o PSDB paulistano também cogita convidar Aécio Neves, presidente nacional do partido, para entrar na propaganda.

Desquite É cada vez mais consensual no Planalto a ideia de que o PSDB deve pedir o divórcio em 2017. Michel Temer já disse a aliados ter partilhado de avaliação semelhante com José Sarney.

Pre-pa-ra O TCU deve julgar na semana que vem as responsabilidades sobre as pedaladas. Ministros indicam que Arno Augustin, ex-secretário do Tesouro Nacional, tende a ser inabilitado do serviço público por oito anos.

Os outros O tribunal tem dúvidas sobre aplicar ou não a mesma punição ao ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Nelson Barbosa, que também chefiou a equipe econômica de Dilma, e Dyogo Oliveira, atual titular do Planejamento, podem ficar fora.

Chama o reforço Na reunião com deputados na residência de Rodrigo Maia, Henrique Meirelles (Fazenda) foi alertado de que, sem articulação pessoal de Michel Temer, dificilmente a PEC do teto de gastos passará pela Câmara como quer o Planalto.

Bom aluno Meirelles passou parte do encontro tomando notas de próprio punho. A previsão otimista é a de votação da proposta em outubro.

Te conheço? Rogério Rosso (PSD-DF), candidato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) à presidência da Câmara, foi um dos que procuraram o deputado cassado. O peemedebista mandou avisar que não receberia ninguém que se dizia aliado mas que votou para que perdesse o mandato.

Ponta da língua Para testar a memória do aliado, um deputado questionou Cunha sobre quais ministros estavam presentes em certo evento. Ele deu não só os nomes, mas também o cardápio e o rótulo do vinho servido — o encontro estará em seu livro sobre o impeachment.

TIROTEIO

Antes tarde do que nunca, mas os custos políticos da demora feriram a democracia brasileira com o golpe do impeachment.

DA EX-PRESIDENTE DILMA ROUSSEFF, sobre a cassação de seu algoz, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

CONTRAPONTO

Solucionado está

Durante audiência da bancada do Rio Grande do Norte nesta terça-feira (13), um grupo de congressistas discutia como fazer para levar recursos para ampliar o Centro de Convenções do Estado. A obra está com problemas de dinheiro e a empresa que toca o empreendimento ameaça abandonar o projeto.
Diante do impasse, o senador José Agripino (DEM) resolveu dar um palpite:
— O ministro do Turismo poderia ir lá vistoriar a obra e, assim, passar confiança à empreiteira.
— Melhor do que isso é levar logo o dinheiro — rebateu Garibaldi Alves (PMDB).

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

105