02/05/2016

19:02

Por: Alberto Silva

PSDB NA MIRA – Janot pede ao STF para investigar Aécio e outros políticos

Se os pedidos forem acolhidos, o senador tucano será oficialmente investigado por envolvimento no esquema de corrupção em estatais.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma série de pedidos para investigar políticos com base na delação premiada do senador Delcídio do Amaral (ex-PT).

Entre os polítticos que podem virar alvos de inquérito estão o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva (PT-SP), o deputado Marco Maia (PT-RS) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União, entre outros.

As informações são do G1e do jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com o site, os pedidos de abertura de investigação foram procolados na última sexta-feira, mas devem ser cadastradas no sistema apenas nesta segunda-feira.

Entre os polítticos que podem virar alvos de inquérito estão o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva (PT-SP), o deputado Marco Maia (PT-RS) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União, entre outros.

As investigações ainda dependem de autorização do ministro Teori Zavascki, responsável pela Operação Lava Jato no âmbito do STF.

O que Delcídio diz contra Aécio

Se os pedidos forem acolhidos, o senador tucano será oficialmente investigado por envolvimento no esquema de corrupção em estatais.

Em sua delação premiada, Delcídio afirma que Aécio Neves recebeu propina de Furnas e que atuou para maquiar dados do Banco Rural durante CPI Mista dos Correios, que investigou o esquema conhecido como mensalão.

Delcídio admite que “segurou a barra” para que não viesse à tona a movimentação financeira das empresas de Marcos Valério no Banco Rural que “atingiriam em cheio” o atual presidente do PSDB e o deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP). Segundo o senador ex-petista, o acordo foi fechado na sede do governo de Minas Gerais, entre 2005 e 2006, quando Aécio era governador do estado.

O que Delcídio diz contra Edinho Silva

Delcídio afirma que o atual ministro da Secretaria de Comunicação do governo, Edinho Silva (então tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff) o orientou a usar a empresa farmacêutica EMS para pagar dívidas de sua campanha ao estado do Mato Grosso do Sul nas eleições de 2014.

“Edinho Silva ligou ao depoente e disse para as empresas credoras apresentarem notas fiscais relacionadas às respectivas dívidas, figurando como tomadora de serviço a empresa EMS”, afirma o texto da delação.

No entando, as duas empresas para as quais Delcídio devia 1 milhão de reais (FSB e Black Ninja) desistiram de receber da EMS depois que surgiram denúncias de que a farmacêutica estava envolvida em escândalos.

Em tempo: Edinho Silva já é investigado na Lava Jato por suspeita de receber dinheiro da construtora UTC para a campanha da presidente Dilma Rousseff em 2014.

O que Delcídio diz contra Marco Maia e Vital do Rêgo

De acordo com o depoimento de Delcídio, o deputado Marco Maia e o então senador Vital do Rêgo cobravam pedágios durante a CPMI da Petrobras para “não convocar e ‘evitar’ maiores investigações contra Leo Pinheiro [ex-presidente da OAS], [o lobista] Júlio Camargo e Ricardo Pessoa [dono da UTC]”, afirma a delação.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

93