12/03/2016

19:10

Por: Alberto Silva

PMDB dá o primeiro passo para abandonar o navio de Dilma, adeus governo…

Decisão quase unanime.. Moção aprovada no evento proíbe filiados de assumirem cargos no governo nos próximos trinta dias, até o partido decidir sobre rompimento

PMDB deu de forma definitiva o primeiro passo para sair do governo de DILMA e LULA.. A convenção nacional do PMDB aprovou neste sábado uma moção que proíbe filiados de assumirem novos cargos no governo federal nos próximos trinta dias, período em que o partido avaliará se rompe com a presidente Dilma Rousseff e adota uma posição de independência no Congresso. Deputados e dirigentes de oposição, favoráveis ao impeachment de Dilma, pressionaram para que o veto fosse à votação.

O objetivo é evitar que o deputado Mauro Lopes (MG) venha a assumir a Secretaria da Aviação Civil e se torne o oitavo ministro peemedebista no governo.

A decisão foi tomada com o plenário esvaziado, depois de o vice-presidente da República, Michel Temer, deixar a convenção em Brasília acompanhado pelos caciques do partido, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ).

“Não vamos aceitar nenhum cargo nos próximos trinta dias. Temer, precisamos decidir essa questão política”, cobrava o prefeito de Araraquara (SP), Marcelo Barbieri.

O ex-ministro da Aviação Civil Eliseu Padilha ainda telefonou para o vice-presidente e tentou conter a apreciação da moção. Primeiro, ele disse que Temer recomendou uma consulta ao setor jurídico do PMDB. Minutos depois, entre gritos de “saída já” e “fora PT”, anunciou que a votação seria liberada.

A decisão foi comemorada por integrantes da Juventude do PMDB e deputados como Carlos Marum (MS), Darcísio Perondi (RS) e Osmar Terra (RS). “Quem aceitar qualquer cargo no governo a partir de agora e quem não sair vai estar expulso do partido dentro de trinta dias”, disse o deputado Osmar Terrra (RS). “Quem sustenta esse cadáver insepulto desse governo são os governistas do PMDB”, afirmou Marum.

O ex-vice-presidente da Caixa e ex-ministro Geddel Vieira Lima (BA), atualmente contrário à aliança com o PT, ainda tentou constranger o ministro da Saúde, Marcelo Castro, ao cobrar abertamente – na mesa – que explicasse aos militantes o motivo de ainda estar no governo.

(Via agência)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

loading...
92