09/05/2016

20:22

Por: Alberto Silva

PF também cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Mantega

A ação desta manhã teve como alvo principal a Cimentos Penha, cujo dono é Vitor Sandri, que foi apresentado a Mantega antes de ele ocupar uma cadeira na Esplanada.


Warning: file_get_contents(https://free.sharedcount.com/?url=https%3A%2F%2Fpensabrasil.com%2Fpf-tambem-cumpriu-mandado-de-busca-e-apreensao-na-casa-de-mantega%2F&apikey=a2ad8859171bb2d2344e31170cd248e9846315ac): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 401 Unauthorized in /home/pensabrasil/www/wp-content/themes/pensabrasilportal/inc/share-bar.php on line 10

Além de conduzi-lo para prestar depoimento, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do ex-ministro Guido Mantega, em São Paulo, durante a 7ª fase da Operação Zelotes, deflagrada na manhã desta segunda-feira (9).
A reportagem apurou que as investigações apontaram indícios de movimentações financeiras incompatíveis com a renda de Mantega. Em novembro, a Justiça determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do ex-ministro da Fazenda dos governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Além disso, os pedidos de condução e buscas envolvendo Mantega se embasaram em suspeitas de que ele teria negociado com lobistas a nomeação de ao menos um conselheiro do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais).
A Zelotes mira em um esquema de pagamento de propina a integrantes do Conselho, vinculado ao Ministério da Fazenda e responsável por julgar recursos de multas aplicadas pela Receita Federal.

A ação desta manhã teve como alvo principal a Cimentos Penha, cujo dono é Vitor Sandri, que foi apresentado a Mantega antes de ele ocupar uma cadeira na Esplanada. Eles se conheceram na década de 90, quando fizeram um negócio, envolvendo dois terrenos do ex-ministro em São Paulo.
A Cimentos Penha é uma das empresas suspeitas de subornarem conselheiros do Carf. A companhia recorreu ao colegiado contra uma atuação aplicada pela Receita de R$ 57,7 milhões, em valores de 1998.

Além disso, os pedidos de condução e buscas envolvendo Mantega se embasaram em suspeitas de que ele teria negociado com lobistas a nomeação de ao menos um conselheiro do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais).

Nesta segunda, Mantega prestou depoimento por cerca de duas na Superintendência da PF na capital paulista e negou qualquer participação em ilegalidades no Carf. Argumentou que cabe ao ministro da Fazenda nomear conselheiros do órgão e, por isso, cumpriu seu função institucional.

Ele confirmou a relação comercial com Sandri, mas disse que jamais atuou para beneficiá-lo em qualquer esfera pública. O ex-ministro lembrou ainda que, quando comandava a Fazenda, criou a Corregedoria do Carf, responsável por receber queixas e denúncias relativas ao colegiado.

OUTRO LADO
Advogado que acompanhou Mantega no depoimento, Guilherme Batochio afirmou ser absurda e desnecessária a condução coercitiva de seu cliente.
“Ele prestou depoimento nesse mesmo inquérito há três meses, jamais se apôs a prestar esclarecimentos. A condução é ilegal”, criticou Batochio.
O defensor argumentou que bastava uma solicitação da PF para Mantega comparecer à Superintendência. “Esse tipo de prática não é digna de um Estado democrático de direito”, concluiu Batochio.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

101