29/11/2015

11:29

Por: Alberto Silva

O Moralista do Procon, que ‘defende’ cidadão, o deputado Celso Russomanno é flagrado pela 3º vez pagando empregados com dinheiro do contribuinte

Estando bom para ambas as partes..." O bordão criado nos anos 90 para um quadro de defesa do consumidor de um programa de TV ele repete até hoje. De lá para cá, no entanto, muita coisa mudou na vida de Celso Russomanno. Ex-office boy, ex-colunista social e apresentador de TV, ele entrou para a política, elegeu-se deputado federal pelo PSDB, candidatou-se a prefeito de Santo André pelo PPB, a governador de São Paulo pelo PP e, em 2012, a prefeito da cidade pelo PRB.

O Moralista do Procon, que ‘defende’ cidadão, o deputado Celso Russomanno flagrado pela 3º vez pagando empregados com dinheiro do contribuinte.

Russomanno na ocasião, chegou a ocupar o primeiro lugar na disputa (terminou em terceiro, fora do segundo turno). Agora, tentará a sorte novamente como candidato à prefeitura de São Paulo, e, desta vez, larga como favorito, com 34% das intenções de voto, segundo o instituto Datafolha. A vida de Russomanno deu muitas voltas, mas certas práticas do deputado permaneceram imutáveis.

Na semana passada, uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo revelou que ele mantém ao menos cinco servidores públicos, remunerados com verba parlamentar, como funcionários da entidade que preside em São Paulo, o Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (Inadec). Não é a primeira vez que o deputado recorre à prática de usar dinheiro do contribuinte para pagar seus empregados. Nem a segunda.

De 1997 a 2001, quando era deputado federal, Russomanno designou a assessora de gabinete Sandra de Jesus para dar expediente em sua produtora, a Night and Day. Pela prática, foi condenado por peculato pela Justiça Federal em fevereiro do ano passado. Recorreu da decisão.

Em 2010, o deputado incluiu Fabiane Brejan no quadro de funcionários de seu gabinete na Câmara. Na prática, porém, Fabiane atuava como coordenadora de sua campanha ao governo de São Paulo. Ela entrou com uma ação trabalhista contra o ex-patrão e ainda o acusou de assédio moral. Em 2012, as partes firmaram um acordo pelo qual Russomanno aceitou pagar 205 000 reais à ex-funcionária.

Pego agora em seu terceiro flagrante, Russomanno se diz injustiçado. “De irregular, não estou fazendo absolutamente nada”, afirma. Sua versão é que seu escritório político (a que os deputados têm direito) e o Inadec funcionam no mesmo endereço, mas os servidores não trabalham no instituto. A afirmação é posta em xeque por uma atendente que dá expediente na entidade, Márcia Renata de Mattos. Ela recebe 5 095 reais mensais como funcionária de gabinete do deputado e pode ser vista no local orientando compradores lesados em busca de ajuda. Como paladino dos consumidores, Russomanno está se saindo um ótimo lesa-contribuinte. Mas se está bom para ele…

(Via Veja e agências)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

96