11/02/2016

12:07

Por: Alberto Silva

Medo é Global, o Zika é verdadeiro e as autoridades brasileiras estão escondendo informações

Atletas estão com medo das olimpíadas no Rio de Janeiro, Governos municipal e federal negam a possibilidade de cancelar o evento


Warning: file_get_contents(https://free.sharedcount.com/?url=https%3A%2F%2Fpensabrasil.com%2Fmedo-e-global-o-zika-e-verdadeiro-e-as-autoridades-brasileiras-estao-escondendo-informacoes%2F&apikey=a2ad8859171bb2d2344e31170cd248e9846315ac): failed to open stream: HTTP request failed! HTTP/1.1 401 Unauthorized in /home/pensabrasil/www/wp-content/themes/pensabrasilportal/inc/share-bar.php on line 10

A grande preocupação é de se contaminar e espalhar o vírus pelo mundo após as olimpíadas no Rio previsto para agosto deste ano.  A preocupação da comunidade internacional com a expansão do zika vírus, que tem o Brasil como epicentro do surto, já levanta questionamentos sobre a realização, em agosto, dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Ao pedido público de dois cientistas norte-americanos, Lee Igel e Arthur L. Caplan, para o Brasil cancelar o evento por uma questão de “responsabilidade”, somaram-se os receios de atletas e entidades esportivas dos EUA, Quênia e Espanha que, com dúvidas sobre os desdobramentos do vírus, já manifestaram seu medo de competir em terras cariocas.

Apesar dos possíveis riscos, que para a maioria da população são baixos, a hipótese de cancelar ou adiar os Jogos, no entanto, não existe. O Ministério do Esporte do Brasil afirmou que a questão não está, sequer, em discussão. “O Governo brasileiro lamenta a publicação de matérias e opiniões na imprensa que cogitam a possibilidade de cancelamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos por causa da epidemia do vírus zika”, disse a pasta. É o mesmo que afirma uma fonte próxima ao prefeito do Rio, Eduardo Paes. “Não há, nem remotamente, nada nesse sentido. Ninguém cogita suspender os Jogos”.

A Prefeitura promete intensificar as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus, também na véspera das Olimpíadas. “Cerca de um mês antes da abertura dos Jogos, uma equipe vai percorrer todos os locais de competição para eliminar possíveis focos do vetor e, durante os eventos, uma equipe fixa estará focada nas instalações olímpicas”, informou em nota.

No Rio, segundo a autoridade municipal, não há atualmente epidemia de dengue, zika e chikungunya, doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. O próprio prefeito já disse que o vírus não é “um problema olímpico”. “Em agosto não há incidência do mosquito. Não vai prejudicar e a gente tem que ajudar nesses esclarecimentos”, disse Paes. Em agosto, quando ocorrerão os Jogos, o clima é, em tese, mais frio e seco, o que reduz as condições favoráveis para o Aedes se reproduzir. Mas isso, por outro lado, não é garantia de que as taxas de infecção caiam significativamente, como apontam os dados municipais sobre a dengue. Como até o momento não existem dados precisos sobre a transmissão de zika, os números da dengue são os usados para avaliar a possibilidade de contágio – quanto mais casos, maior a probabilidade de o mosquito estar circulando com força.

Agosto de 2015 foi o mês de agosto com mais casos de dengue (794) desde 2013 no Rio. Esse número é também maior do que os 773 casos registrados em 2014 durante os meses de março, abril e maio – normalmente três dos meses com índices mais altos de infecção. E os dados deste ano já levantam preocupação: apenas em janeiro, foram registrados 1.122 casos da doença – no mesmo mês do ano passado, foram 165. Isso mostra que o vetor está circulando com força na cidade.

A insegurança aumenta ainda mais com as recentes descobertas, que indicam que há a possibilidade de o vírus ser transmitido por saliva e urina, embora mais estudos sejam necessários para confirmar.

Para a maior parte das pessoas, o contágio pelo zika não apresenta grandes problemas. Em 80% dos casos, os infectados não desenvolvem qualquer sintoma. E, nos casos em que desenvolvem, eles se resumem, basicamente, a uma febre baixa, acompanhada por coceira e manchas no corpo. Grávidas, entretanto, enfrentam mais riscos, já que o vírus está sendo associado aoaumento dos casos de microcefalia no país. Há ainda casos, ainda que pouco frequentes, de pessoas que desenvolvem a Síndrome de Guillain-Barré, que pode causar paralisia.

Outra questão também precisa ser ponderada, afirma Lee Igel, professor da Universidade de Nova York, que recentemente escreveu um artigo defendendo a suspensão das Olimpíadas. A reunião de pessoas de diferentes partes do mundo em uma área epidêmica pode ajudar a espalhar a doença. “Muitas pessoas viajam para o país nos Jogos e, depois, retornam para a casa. É uma forma conveniente para o vírus se espalhar pelo mundo.”

O que aconteceria se os Jogos fossem cancelados?

No “improvável” cenário de o vírus obrigar a adiar o calendário olímpico, o professor da Universidade de Hamburgo, Wolfgang Maennig, que estuda há anos o impacto econômico de grandes eventos esportivos, desenha algumas possibilidades. Primeiro, diz, se discutiria se adiar por dois ou três meses ajudaria a minimizar os riscos associados ao zika. Caso não, outra solução seria repetir as Olimpíadas em Londres, “a cidade hoje mais preparada para o evento”, que poderia inclusive “dividir os Jogos com sedes em outros lugares como Pequim, Los Angeles ou Berlim”. Uma outra alternativa, segundo o especialista, seria que o Comitê Olímpico Internacional negociasse com Tóquio o adiamento dos seus Jogos em 2020 para 2024, para, dessa forma, o Rio sediar o evento em quatro anos e minimizar as perdas econômicas de um hipotético cancelamento. Na história dos Jogos Olímpicos, o evento só foi suspenso duas vezes, mas nenhuma delas por um alerta sanitário: os de Berlim, em 1916, após o começo da Primeira Guerra Mundial e os de Helsinki, em 1940, e Londres, em 1944, devido à Segunda Guerra.

(Via agência)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

100