04/10/2016

14:40

Líderes da Rede desfiliam e criticam Marina Silva

Uma estratégia tão inverossímil quanto ingênua e equivocada. A hipótese TSE só haveria se o impeachment não passasse; só não via essa realidade quem não quisesse e não faltaram os alertas”, escreveram os intelectuais.

Por: Alberto Silva

Sete intelectuais anunciaram nesta segunda-feira, dia seguinte ao primeiro turno das eleições municipais que estão se desfiliando da Rede Sustentabilidade. A principal crítica feita foi à ex-senadora Marina Silva, líder política da legenda.

 Luiz Eduardo Soares, Miriam Krenzinger, Marcos Rolim, Liszt Vieira, Tite Borges, Carla Rodrigues Duarte e Sonia Bernardes classificaram o rumo que o partido tomou como “frustrante e melancólico”. “Por conta da reduzida definição política, a REDE tem se construído como uma legião de pessoas de boa vontade e nenhum rumo. Um partido cuja coesão depende exclusivamente de uma liderança, mesmo que ela tenha a admirável e extraordinária dimensão humana de Marina, não é sustentável”, diz o texto.

A decisão de apoiar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff também foi alvo de críticas do ex-integrantes do partidos. Eles disseram que o partido se aliou ao movimento que entregou o governo ao PMDB a políticos envolvidos da Operação Lava Jato, comprometidos em aplicar políticas “radicalmente contrárias” ao que acreditaram ser os valores da sigla. “Por mais desastroso que fosse o governo Dilma (e o era) e por piores que fossem os crimes perpetrados por políticos do PT (e muitos deles o foram concretamente), o fato é que não foram esses os motivos que pautaram o processo de impedimento.”

“A direção nacional da REDE pretendeu se somar ao impeachment em nome da bandeira, ‘Nem Dilma, nem Temer’, indicando que o próximo passo haveria de ser dado pelo TSE, com a cassação da chapa Dilma-Temer. Uma estratégia tão inverossímil quanto ingênua e equivocada. A hipótese TSE só haveria se o impeachment não passasse; só não via essa realidade quem não quisesse e não faltaram os alertas”, escreveram os intelectuais.

Porto Alegre
Os ex-integrantes do partido também criticaram o fato de a Rede ter se aliado ao PMDB na chapa do vice-prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (PMDB), que tenta o cargo de prefeito, em vez de ter formado coligação com Luciana Genro do PSOL. Segundo eles, esse foi um exemplo “lamentável” do “deslocamento político da Rede em direção ao bloco hegemônico”.

Por fim, os ex-integrantes disseram que o debate interno do partido “é uma ficção”, que repete “a doença senil dos partidos” e que esperam que a carta “contribua para a reflexão interna da REDE”.

(Via Agencia)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

89