18/11/2015

16:18

Por: Alberto Silva

Juiz Sérgio Moro confirma acordo de executivo do grupo Schahin que citou aval de LULA

O Instituto Lula tinha informado à Folha na segunda que não se pronunciaria sobre a citação do ex-presidente no depoimento de Salim Schahin aos procuradores. Por meio de sua assessoria de imprensa, o instituto afirmou que "não comenta supostos documentos ou vazamentos dos quais não tem conhecimento e nem a certeza de que existem".

Nos bastidores da PF já se dá como certo a possivel prisão de LULA. O juiz Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Lava Jato na Justiça do Paraná, homologou nesta terça-feira (17) o acordo de delação premiada de um dos acionistas do grupo Schahin, o executivo Salim Schahin, 75 anos.

No acordo, segundo a Folha apurou, Salim foi condenado a pagar uma multa de cerca de R$ 1,5 milhão e não terá que usar tornozeleira eletrônica.

Como revelou a Folha na segunda (16), Salim assinou, na semana passada, um acordo de colaboração com a Força Tarefa de Curitiba. Em depoimento aos procuradores, ele relatou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria dado aval para que o grupo conseguisse um contrato para operar o navio-sonda Vitória 10.000 com Petrobras, de US$ 1,6 bilhão.

Segundo o acionista, o contrato foi uma compensação em troca do perdão de uma dívida que o PT tinha com o banco Schahin.

O empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente, foi quem mencionou o apoio de Lula a executivos do grupo durante as negociações para livrar o PT da dívida, segundo o depoimento de Salim Schahin. A dívida era decorrente de um empréstimo pego em nome do próprio Bumlai, em 2004, mas direcionado ao PT, no valor de R$ 12 milhões.

Salim Schahin era o acionista responsável pelo Banco Schahin enquanto o irmão Milton, o outro controlador das empresas do grupo, responde pela área de engenharia e petróleo.

Em 2011 o controle do banco foi transferido para o BMG. O Grupo Schahin apresentou à Justiça apresentou em maio um pedido de recuperação judicial.

Procurado pela Folha, o advogado Rogério Taffarello, que defende Salim Schahin, disse que não comentará o acordo.

O Instituto Lula tinha informado à Folha na segunda que não se pronunciaria sobre a citação do ex-presidente no depoimento de Salim Schahin aos procuradores. Por meio de sua assessoria de imprensa, o instituto afirmou que “não comenta supostos documentos ou vazamentos dos quais não tem conhecimento e nem a certeza de que existem”.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/11/1707909-moro-confirma-acordo-de-executivo-do-grupo-schahin-que-citou-aval-de-lula.shtml
(VIA AGENCIAS)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

97