20/11/2015

21:47

Por: Alberto Silva

“Juiz por acaso” Dias Toffoli diz que impressão de voto pela urna é retrocesso

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro José Antonio Dias Toffoli, considera um "passo atrás" a impressão pela urna eletrônica do voto do eleitor. Para implementar o projeto, o ministro informa que o tribunal gastará R$ 1,7 bilhão.

Afinal de contas, alguém tem que defender o PT. Na noite de quarta (18), o Congresso derrubou o veto da presidente Dilma Rousseff à lei que prevê a impressão do registro do voto.

De acordo com Dias Toffoli não há tempo hábil para implementar a medida nas eleições de 2016. O procedimento, segundo ele, deve ser adotado nas eleições gerais de 2018.

“Uma das vantagens da urna eletrônica foi acabar com a intervenção humana. A intervenção humana não deixa rastro. A intervenção tecnológica deixa rastro e é possível de ser auditada”, afirma.

O ministro Toffoli entende que a adoção deste processo pode atrasar o resultado da eleição, caso algum candidato questione a apuração. Além de deixar brechas na recontagem dos votos.

“Isso criará a situação de análise por humanos. Se houver pedidos de recontagem será feita por humanos. Vocês lembram que no passado podia haver diferença entre o voto contado e o voto dado pelo mesário. É um passo atrás na cultura política brasileira”, disse o ministro.

Dias Toffoli está no Rio para participar da 10ª Reunião Interamericana de autoridades eleitorais. O evento que acontece nesta quinta (19) e na sexta (20) tem representantes de países filiados a OEA (Organização dos Estados Americanos) e foi organizado pelo TSE.

Dos países filiados apenas Argentina e Venezuela não mandaram representantes ao encontro. Ambos alegaram estar envolvidos com as eleições: a Argentina no domingo (22) e a Venezuela em 6 de dezembro.

A reforma eleitoral, o financiamento de campanha e o uso de mídias sociais serão alguns dos temas debatidos no encontro.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

92