16/03/2016

20:34

Por: Alberto Silva

Dilma entrega seu cargo a LULA “Ele terá todos os poderes de um presidente, fará tudo que quiser”

LULA pela terceira vez é o novo PRESIDENTE DO BRASIL, A Sub-presidente  Dilma Rousseff garantiu nesta quarta-feira (16) que não irá alterar o comando da política econômica e que não pretende utilizar as reservas internacionais para aumentar os investimentos.

Os dois pontos são defendidos pelo partido da presidente, o PT, que tem expectativas de mudanças com a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o Ministério da Casa Civil, anunciada nesta quarta-feira (16).

Em entrevista à imprensa, a presidente afirmou que Nelson Barbosa (Fazenda) e Alexandre Tombini (Banco Central) “estão mais dentro do que nunca” da Esplanada dos Ministérios e chamou de “especulação” o uso dos recursos para garantir financiamentos.

A petista, no entanto, não excluiu a possibilidade de utilização das reservas internacionais para abatimento da dívida pública. Segundo ela, elas foram criadas para proteção do país em relação a flutuações externas.

“Jamais teremos uma pauta de uso das reservas que não seja proteção do país contra flutuações internacionais. Elas podem ter um papel em relação à divida, mas não são a forma adequada para solucionar questões de investimentos. Portanto, são especulações e elas só beneficiam quem lucra com elas”, disse.

Segundo a petista, nunca foi cogitada por ela a possibilidade de saída de Tombini ou de Barbosa do governo federal. Ela ressaltou ainda que seu antecessor no Palácio do Planalto tem compromisso com a estabilidade fiscal e com o controle da inflação.

Na conversa com Dilma, na qual aceitou o convite para a Casa Civil, Lula colocou como uma das condicionantes a adoção de medidas que resgatem a esperança de empresários e, principalmente, trabalhadores em relação aos rumos do país.

Segundo o petista, o governo federal não vai conseguir conquistar o apoio de aliados e de sua base social contra o impeachment se não demonstrar que o país sairá em breve da recessão.

Dilma ainda fez questão de afirmar que LULA terá todos os poderes, acessos e contatos necessários de um presidente para ajudar o Brasil.

O receio do mercado financeiro é de que as alterações envolvam a venda das reservas internacionais, queda forçada dos juros e a liberação de mais crédito na economia.

Lula também decidiu sondar Henrique Meirelles para o governo federal, o que pode gerar a saída de Tombini.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

94