30/11/2015

20:49

Por: Alberto Silva

Cunha ameaça diz que governo conspira contra ele e insinuou que pode deflagrar o impeachment da presidente Dilma Rousseff

Em almoço com o vice-presidente Michel Temer nesta segunda-feira (30), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que o governo conspira contra ele e insinuou que pode deflagrar o impeachment da presidente Dilma Rousseff nesta terça-feira (1º), caso o PT vote por sua cassação no Conselho de Ética da Casa.

Durante a conversa de quase duas horas no Palácio do Jaburu, Cunha afirmou a Temer que a nova denúncia contra ele, de que oBTG Pactual pagou R$ 45 milhões para que o banco de André Esteves tivesse seus interesses atendidos em uma emenda a medida provisória, foi uma armação orquestrada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Cunha levou ao vice-presidente documentos em que, segundo o presidente da Câmara, fica provado que ele não favoreceu bancos e disse que tem certeza de que há “dedo do governo” no que chamou de “armação” contra ele.

Temer, por sua vez, preferiu a cautela e, segundo aliados, não alimentou os ataques contra o Planalto.

Nesta terça-feira, o Conselho de Ética da Câmara vota pela admissibilidade ou não de um processo de cassação contra Cunha, acusado de lavagem de dinheiro, corrupção e suspeito de esconder contas na Suíça.

O presidente da Casa deu sinais a Temer e a aliados de que vai esperar os votos dos deputados do PT no Conselho. Caso votem contra ele, deve deflagrar o impeachment contra Dilma. Caso contrário, vai segurar a abertura de um processo de impedimento da presidente.

O Palácio do Planalto trabalha desde a semana passada para que os deputados do PT votem a favor de Cunha. Os petistas resistem mas, nesta segunda, começaram a dar sinais de que podem rever a posição.

OFICIALMENTE

Depois do almoço, ao ser questionado por jornalistas sobre a possível abertura de um processo de impeachment contra Dilma, Temer afirmou que havia falado com Cunha, sem dizer que havia almoçado com o aliado. E completou que ele não havia dito nada a respeito do assunto.

“Isso [deflagrar o impeachment] é decisão dele. Conversei [com Cunha], mas ele não me disse nada a respeito disso”, disse Temer que, com a viagem de Dilma a Paris, é presidente da República em exercício até esta terça.

(Via agência e folha)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.

Mais Lidas

89