14/02/2016

11:47

Por: Alberto Silva

Com 63, a atriz Vera Holtz quebra o protocolo e faz sucesso nas redes sociais e dita look de foliões

Não precisou apelar - Nem popozuda, nem siliconada. Quem bombou neste Carnaval foi uma mulher de cabelos brancos e lisos, vestida de preto, que, sem lantejoulas nem penas, ditou o ritmo da folia nas redes sociais.

Nem siliconada, nem popuzuda, com 63 anos, graças à criação de uma personagem que incorpora o espírito da saudosa Rê Bordosa dos quadrinhos de Angeli, a atriz Vera Holtz foi reconhecida pela galera jovem como a musa da festa de Momo. Numa sequência de 11 cliques, que começou a ser postada na sexta-feira (5), Vera, contracenando com um portentoso copo de chá de boldo, vai mostrando a sua transformação sob os efeitos do álcool.

A cada nova foto, a atriz aparentava estar um pouco mais bêbada. Nem por isso desistia da brincadeira: ia tomando o milagroso chá, que, a bem da verdade, não parecia estar curando o porre.

Depois de aparecer, com a maquiagem borrada, escorregando por trás de uma mesa, surge de cara limpa e óculos escuros, na última foto, com um buquê de folhas de boldo —com o perdão da infâmia, a verdadeira Rê Boldosa.

Foi o bastante para que as ruas ganhassem foliões fantasiados com as típicas folhas lanceoladas da planta, segurando canecas de chá. As imagens extrapolaram a folia. Viraram “meme” nesta semana. Uma enxurrada delas pipocou nas redes sociais.

As fotos inusitadas despertaram a curiosidade dos internautas. Afinal, como surgem essas postagens?

“Não é algo explicativo. É criativo”, responde a atriz, formada em artes plásticas. “Sou da época do mágico, do secreto”, diz, tentando mostrar de onde vem tanta criatividade. “O mais interessante para mim é o retorno”, acrescenta, satisfeita com a repercussão da brincadeira.

A sequência do boldo, que também virou “GIF”, obteve quase 200 mil curtidas no Instagram. Na página do Facebook, a atriz já atrai cerca de 400 mil seguidores.

Sobre o processo criativo, Vera faz uma reflexão:  “Às vezes, fico marinando [uma ideia], jogo para o meu inconsciente, até sonho, mas, geralmente, é uma criação elaborada racionalmente. Estudo o olhar, o comportamento”. Sem teorizar muito, sintetiza: “O bacana é que as pessoas tenham suas interpretações sobre o que está ali. Se eu der a minha versão, elas vão deixar de refletir”.

Quem participa da criação, produz, fotografa e filma a atriz nessas cenas engraçadas é Renato Santoro, arquiteto paranaense que reformou o apartamento dela no Rio e em São Paulo e que virou seu amigo há seis anos. “Ele tem o olhar, o ângulo”, diz Vera, responsável pela concepção do projeto. O cineasta Evaldo Mocarzel atua como “consultor conceitual das séries”. Outro amigo, Marcos Froner, é o “social media manager”: cria e cuida da agenda de publicações.

Não foi só o boldo que fez de Vera Holtz inspiração para esses dias de festa. Outras fotos, em que aparece com inusitados coques, serviram de modelo para muitos foliões, que copiando o visual da atriz, desfilaram pelas ruas de todo o país com a cabeça encimada por curiosos adornos: estrela natalina, camisinhas infladas, tíquetes de metrô, baguetes e até uma pomba preta —o “Hitcoque”.

BAILE PERFUMADO

A Santana, de “Mulheres Apaixonadas” (2003), e a Mãe Lucinda, de “Avenida Brasil” (2012), entre tantos outros personagens queridos do público, fizeram que surgisse um bloco de Carnaval para homenagear a atriz. O #AmigosdaVeraHoltz saiu em Santa Cecília (região central).

Vera não estava de corpo presente, mas, como ela própria diz, em “espírito”. Conta que acompanhou tudo o que os foliões postavam.

“Foi um presente. Entrei em comunhão”, emociona-se. “Fiquei quietinha, repassando os Carnavais da minha vida, numa casinha menor que tenho junto a uma maior, em Tatuí.” Com tom nostálgico, lembrou-se do primeiro saco de confetes e do lança-perfume, aos três ou quatro anos de idade: “Papai comprava para mim e para minhas três irmãs. O lança-perfume não era para cheirar.

A gente jogava nas costas das pessoas. O salão de Tatuí ficava todo perfumado. Era uma festa lúdica”.

A mais famosa das tatuienses dá sinais de que se diverte —e muito— com suas postagens: “Alguns seguidores até criaram uma dramaturgia em cima das fotos. Gosto dessa dinâmica da troca”.

E avisa: “Se eu sumir por um tempo, é porque estou em processo criativo”. Os internautas podem esperar: daquela cabeça jovem, coberta por uma vistosa cabeleira branca, uma nova série deve brotar antes da Páscoa.

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.