12/03/2016

19:03

Por: Alberto Silva

A fase decisiva da Lava Jato, que colocará um ponto final no PT, LULA e Dilma

Qual retrato real da situação do Brasil perante a Lava-Jato? Os procuradores são acusados de cometer abusos de poder nas investigações, preparam-se para contra-atacar com ainda mais provas – e avançam nas delações que devem desmontar o topo da corrupção no Brasil

A “REVISTA ÉPOCA” desta semana traz detalhadamente a fase decisiva da operação Lava-Jato. Fatos que resultarão em um marco na história do Brasil. Não deixe de ler !!! Eles sabiam o furor que causariam naquela sexta-feira. Nem por um instante subestimaram o que um avanço sobre um dos líderes políticos mais importantes da América Latina provocaria na opinião pública, no meio jurídico e no mundo político. Os integrantes da Lava Jato – delegados da Polícia Federal, procuradores da República da força-tarefa e o juiz Sergio Moro – chegavam ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, naquele 5 de março, quase dois anos exatos após o início da operação, com cautela e preparo.

“Tínhamos de cruzar esse rubicão”, diz um dos líderes de Curitiba. “É onde as provas do caso nos conduziram.”  Naquela manhã, a Lava Jato pôs na rua a 24a fase da operação, cruzando o rubicão enquanto parava o país. Começava ali a fase mais difícil dos dois anos de investigação. A depender da consistência dos pedidos de busca e apreensão e de condução coercitiva do ex-presidente, a força-tarefa poderia angariar definitivamente o apoio da opinião pública em torno das investigações. Ou transformar Lula em mártir. A sobriedade e a segurança técnica eram essenciais para reafirmar o trabalho realizado desde 2014.

Com isso no horizonte, embora, para alguns, houvesse elementos que justificassem um pedido de prisão temporária do ex-presidente, os procuradores optaram por pedir a condução coercitiva, medida menos gravosa, mais proporcional e já usada 116 vezes ao longo da operação.

Moro acatou. O rebuliço foi imediato e alimentado pelo discurso furioso de Lula ainda naquela tarde – reação que já era esperada pelos investigadores. O fim de semana foi de extrema tensão em Curitiba.

Depois de a presidente Dilma Rousseff se dizer inconformada com a “desnecessária” condução coercitiva de Lula, ela viajou, no sábado, ao encontro do mentor. Moro soltou uma nota justificando sua decisão. Os procuradores também. Pela primeira vez desde o começo da Lava Jato, a presidente da República imiscuiu-se sem pudores num assunto de outro Poder. Tentou transformar um caso criminal num assunto político, corroborando, em palavras e gestos, o discurso de vitimização articulado por Lula e pelo PT.

Aquilo que os integrantes da Lava Jato mais temiam – o questionamento sobre sua lisura jurídica e a acusação de que abusam da autoridade que lhes cabe – parecia inevitável.

Ainda assim, com o forte conjunto de indícios contra o ex-presidente, Moro e os procuradores acreditavam que a discussão jurídica prevaleceria e a operação seguiria seu curso inabalável. Vieram, então, os três promotores do Ministério Público de São Paulo, com um desarrazoado pedido de prisão de Lula, na quinta-feira. O desastre desse erro de cálculo foi imediatamente sentido em Curitiba. Fez superar, em muito, a tensão da semana anterior. “A juíza do caso deve negar, mas até lá o estrago estará feito”, disse um dos principais membros da Lava Jato. Tudo o que eles tentaram prevenir – o fluxo de combustível para a retórica de Lula de que ele é perseguido politicamente e a dúvida sobre a legitimidade da operação – foi posto em risco.

E a Lava Jato chega a seus dois anos com o desafio de impedir que o discurso de que há abuso de poder ganhe força junto à opinião pública.

Eles sabem que será preciso, como nunca, reiterar a natureza apartidária da investigação e o objetivo estratégico de começar a desmontar, precisamente pela Petrobras, que era a maior empresa do país, o modo como a grande corrupção funciona no Brasil. Eles querem pegar o sistema, não derrubar políticos – muito menos governos. “A Lava Jato é muito maior que Lula”, dizem dois investigadores veteranos. Trata-se de atacar, tecnicamente, com provas e o bom uso das leis, a promiscuidade criminosa entre aqueles que corrompem (os empresários) e aqueles que são corrompidos (os políticos).

Trata-se, também, de mudar, por meio de iniciativas como  os projetos de lei das dez medidas contra a corrupção, as regras que permitem o jogo usual em Brasília – mas não só em Brasília. Trata-se, por fim, de estimular que investigações semelhantes se multipliquem pelo país. Há muito a avançar, sem dúvida, mas a cultura política, jurídica e econômica do país está mudando, ainda que lentamente.

Basta perguntar aos políticos de Brasília. “O jogo mudou de vez”, diz um dos  principais líderes do Congresso, que conhece o jogo como poucos. O jogo, no caso, é a corrupção que costumava governar as decisões políticas de Brasília.

O avançar da Lava Jato e o reforço de sua credibilidade estão fortemente depositados nas novas delações premiadas que vêm sendo negociadas (leia ao lado). A grande maioria delas tem o potencial de confirmar as vertentes essenciais da investigação e de promover um desfecho para as apurações do petrolão. O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, é um dos que trabalham em um acordo para falar e, assim, diminuir a própria e iminente punição. O casal de publicitários do PT, João Santana e Mônica Moura, está tentado. Os executivos do topo das empreiteiras já compreenderam que há poucas saídas que não a colaboração.

Os da Andrade Gutierrez começaram a entregar, na semana passada, documentos que, de acordo com as propostas de delação, podem comprometer gravemente a campanha de reeleição de Dilma – e uma pessoa próxima a ela.

José Carlos Bumlai (Foto: Época )
Jorge Luz (Foto: Época )
Delcídio do Amaral (Foto: Época )
Pedro Corrêa (Foto: Época )
José Antunes Sobrinho (Foto: Época )
Otávio Azevedo (Foto: Época )
Marcelo Odebrecht (Foto: Época)
Zwi Skornicki (Foto: Época )
João Santana e Mônica (Foto: Época )
Infográfico sobre os resultados da Lava Jato (Foto: Época )
(Via ÉPOCA e AGÊNCIA)

Compartilhe:

Comentários

* O Pensa Brasil não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários e se reserva o direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.